Relação dos biomas nos acidentes peçonhentos no Brasil/ Relationship of biomes in venomous accidents in Brazil/ Relación de biomas en accidentes venenosos en Brasil

Autores

Palavras-chave:

Animais Venenosos, Ecossistema, Análise Espacial

Resumo

Objetivo: descrever o perfil dos casos de acidentes por animais peçonhentos no Brasil, de 2010 a 2019, para verificar a relação dos biomas brasileiros sobre o número de notificações. Método: estudo exploratório, a partir de dados secundários do Departamento de Informática e Informação do Sistema Único de Saúde quanto ao número de casos absolutos de acidentes por Estados e Distrito Federal, distribuídos em mapa coroplético. Pela correlação linear de Pearson estimou a relação entre número de casos e desmatamento. Resultados: os principais acidentes notificados envolveram escorpiões (52,14 %), principalmente no cerrado e na caatinga, seguido por aranhas (16,23%) majoritariamente no pampa, e serpentes (15,45%) na amazônia. Esses últimos com letalidade superior a 1%. Os Estados que apresentaram o maior número de casos novos foram Minas Gerais (49.716), São Paulo (41.428), Bahia (24.617) e Pernambuco (21.144). As variáveis de desmatamento foram inversamente proporcionais ao número de casos, principalmente nos Estados com maior notificação. Conclusão: o grande registro de acidentes por escorpiões e a alta letalidade associada aos acidentes por serpente nos biomas brasileiros representam potencial problema de saúde pública. No entanto, não há indícios de correlação positiva entre desmatamento e número de notificações dos acidentes.

Biografia do Autor

  • Francisco Cezar Aquino de Moraes, Universidade Federal do Pará
    Acadêmico de Medicina. Universidade Federal do Pará, Belém, Pará, Brasil.
  • Alison Ramos da Silva, Universidade Federal do Pará
    Biólogo. Mestre em Biologia Parasitária na Amazônia. Laboratório de Clínica e Epidemiologia de Doenças Endêmicas do Núcleo de Medicina Tropical/Instituto de Ciências Biológicas/Universidade Federal do Pará. Belém, Pará, Brasil.
  • Emanuele Rocha da Silva, Universidade Federal do Pará
    Acadêmica de Medicina. Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.
  • Johne de Souza Coelho, Universidade Federal do Pará

    Médico. Mestre em Doenças Tropicais. Especialista em Toxicologia. Laboratório de Entomologia Médica e Animais Peçonhentos do Núcleo de Medicina Tropical, Universidade
    Federal do Pará. Belém, Pará, Brasil.

  • Pedro Pereira de Oliveira Pardal, Universidade Federal do Pará

    Médico. Doutor em Medicina Tropical. Coordenador do  Laboratório de Entomologia Médica e Animais Peçonhentos do Núcleo de Medicina Tropical, Universidade Federal do Pará. Belém, Pará, Brasil. 

Referências

Ministério do Meio Ambiente (BR). Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Fragmentações de Ecossistemas: Causas, Efeitos sobre a Biodiversidade e Recomendações de Políticas Públicas. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; 2003.

Barraviera B. O ensino dos acidentes por animais peçonhentos nas escolas médicas brasileiras. Rev Soc Bras Med Trop. 1992; 25(3):203-204.

Brasil. Manual de Primeiros Socorros. Fundação Oswaldo Cruz. Núcleo de Biossegurança. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2003.

Machado C. Um panorama dos acidentes por animais peçonhentos no Brasil. J Health NPEPS. 2016; 1(1):1–3.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Biomas. 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/informacoes-ambientais/15842-biomas.html?=&t=downloads.

Ministério da Saúde (BR). Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos. Acessoria de Comunicação e Educação em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Ministério da Saúde (BR). DATASUS Informações de Saúde, Epidemiológicas e Morbidade: banco de dados. Brasília: Ministério da Saúde; 2020 [acesso em 2020 Dez 22]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/animaispa.def.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 580, de 22 de março de 2018. Regulamenta o disposto no item XIII.4 da Resolução CNS nº 466, de 12 de dezembro de 2012, que estabelece que as especificidades éticas das pesquisas de interesse estratégico para o Sistema Único de Saúde (SUS) serão contempladas em Resolução específica, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 16 jul. 2018. Seção 1, p.55.

Ministério do Meio Ambiente (BR). Secretaria Nacional de Biodiversidade e Florestas. Áreas Prioritárias para Conservação, Uso Sustentável e Repartição de Benefícios da Biodiversidade Brasileira, Atualização: Portaria MMA nº 9, de 23 de janeiro de 2007. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; 2007.

Matos RR, Ignotti E. Incidência de acidentes ofídicos por gêneros de serpentes nos biomas brasileiros. Ciênc saúde coletiva. 2020; 25(7):2837-2846.

Castro E. Dinâmica socioeconômica e desmatamento na Amazônia. Novos Cad NAEA. 2005; 8(2):5–39.

Silva AM, Sachett J, Monteiro WM, Bernarde PS. Extractivism of palm tree fruits: A risky activity because of snakebites in the state of Acre, Western Brazilian Amazon. Rev Soc Bras Med Trop. 2019; 52:1–4.

Pardal PPO, Pinheiro ACJS, Silva CTC, Santos PRSG, Gadelha MAC. Hemorrhagic stroke in children caused by Bothrops marajoensis envenoming: A case report. J Venom Anim Toxins Incl Trop Dis. 2015; 21:53.

Nogueira CC, Alencar JPSV, Argolo AJS, Arredondo JC, Arzamendia V, Azevedo JA, et al. Atlas of Brazilian Snakes: verified point locality maps for mitigating the Wallacean shortfall in a megadiverse snake fauna. South Am J Herpetol. 2019; 14(1):1–274.

Melgarejo AR. Serpentes Peçonhentas do Brasil. In: Cardoso JLC, França OSF, Wen FH, Málaque CMS, Haddad Júnior V. Animais peçonhentos no Brasil: Biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. São Paulo: Sarvier; 2009.

Costa MKB, Fonseca CS, Navoni JA, Freire EMX. Snakebite accidents in Rio Grande do Norte state, Brazil: Epidemiology, health management and influence of the environmental scenario. Trop Med Int Heal. 2019; 24(4):432–441.

Oliveira RC, Wen FH, Sifuentes DN. Epidemiologia dos acidentes por animais peçonhentos. In: Cardoso JL, Haddad-Jr V, França FOS, Wen FH, Malaque CMS. Animais peçonhentos do Brasil: biologia, clínica e terapêutica. São Paulo: Sarvier; 2009.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Acidentes de trabalho por animais peçonhentos entre trabalhadores do campo, floresta e águas, Brasil 2007 a 2017. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

Gonçalves JE, Medeiros SMFRS, Cavalcanti IDL, Mendes RCMG, Bezerra INM, Nóbrega MM, et al. Accidents caused by venomous animals: an analysis of the epidemiological profile in the Northeast region of Brazil in the period from 2010 to 2019. RSD. 2020; 9(10):e4679108843.

Silva PLN, Costa AA, Damasceno RF, Oliveira Neta AI, Ferreira IR, Fonseca AD. Perfil epidemiológico dos acidentes por animais peçonhentos notificados no Estado de Minas Gerais durante o período de 2010-2015. Rev Sustinere. 2017; 5(2):199-217.

Lourenço WR, Von Eickstedt VRD. Escorpiões de Importância Médica. In: Cardoso JLC, França FOS, Wen FH, Málaque CMS, Haddad JRV. Animais Peçonhentos no Brasil: Biologia, Clínica e Terapêutica dos Acidentes. São Paulo: Sarvier, 2;09.

Schier DT, Lemos MR, Campos CGC, Cardoso JT. Estudo sobre a influência de variáveis metereológicas nos casos de acidentes por animais peçonhentos em Lages – SC. Hygeia. 2019; 15(31):43 -55.

Chagas F, D’Agostini F, Beltrame V. Aspectos epidemiológicos dos acidentes por aranhas no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Evid Biotecnol Aliment. 2010; (1):121–30.

Terças ACP, Vivi VK, Machado C, Lemos ERS. Aspectos epidemiológicos dos acidentes por picada de abelha africana. J Health NPEPS. 2017; 2(Supl.1):58-72.

Silveira JL, Machado C. Epidemiologia dos acidentes por animais peçonhentos nos municípios do sul de Minas Gerais. J Health NPEPS. 2017; 2(Supl.1):88-101.

Global Forest Watch. Banco de Dados [acesso em 2020 Abr 16]. Disponível em: https://www.globalforestwatch.org/dashboards/country/BRA/?category=summary&dashboardPrompts=eyJzaG93UHJvbXB0cyI6dHJ1ZSwicHJvbXB0c1ZpZXdlZCI6WyJkYXNoYm9hcmRBbmFseXNlcyIsImRvd25sb2FkRGFzaGJvYXJkU3RhdHMiLCJzaGFyZVdpZGdldCIsIndpZGdldFNldHRpbmdzIiwidmlld05hdGlvbmFsRGFzaGJvYXJkcyJdLCJzZXR0aW5ncyI6eyJvcGVuIjpmYWxzZSwic3RlcEluZGV4IjowLCJzdGVwc0tleSI6IiJ9fQ%3D%3D&firesAlertsCumulative=eyJpbnRlcmFjdGlvbiI6e319&firesAlertsHistorical=eyJpbnRlcmFjdGlvbiI6e319&firesAlertsStats=eyJpbnRlcmFjdGlvbiI6e319&gladAlerts=eyJsYXRlc3REYXRlIjoiMjAxOS0wOC0xMiIsImludGVyYWN0aW9uIjp7fX0%3D&location=WyJjb3VudHJ5IiwiQlJBIl0%3D&map=eyJjZW50ZXIiOnsibGF0IjotMTIuMjY5NDk0NzkyNTk5NzMyLCJsbmciOi00OS44ODU5MTY3NDcxNTg2N30sInpvb20iOjIuMjcyNTI4ODI1OTI1Mzk0NiwiY2FuQm91bmQiOmZhbHNlLCJkYXRhc2V0cyI6W3siZGF0YXNldCI6IjBiMDIwOGI2LWI0MjQtNGI1Ny05ODRmLWNhZGRmYTI1YmEyMiIsImxheWVycyI6WyJjYzM1NDMyZC0zOGQ3LTRhMDMtODcyZS0zYTcxYTJmNTU1ZmMiLCJiNDUzNTBlMy01YTc2LTQ0Y2QtYjBhOS01MDM4YTBkOGJmYWUiXSwiYm91bmRhcnkiOnRydWUsIm9wYWNpdHkiOjEsInZpc2liaWxpdHkiOnRydWV9LHsiZGF0YXNldCI6ImI1ODQ5NTRjLTBkOGQtNDBjNi04NTljLWYzZmRmM2MyYzVkZiIsImxheWVycyI6WyI0OWE4MGU3MC1lYzUyLTRlZjgtYmNjNi1mYjI3NzFkOTViMmMiXSwib3BhY2l0eSI6MSwidmlzaWJpbGl0eSI6dHJ1ZSwicGFyYW1zIjp7InRocmVzaCI6MzAsInZpc2liaWxpdHkiOnRydWV9fV19&path=eyIwIjoiZGFzaGJvYXJkcyIsIjEiOiJjb3VudHJ5IiwiMiI6IkJSQSJ9&treeLoss=eyJpbnRlcmFjdGlvbiI6e319&treeLossPct=eyJoaWdobGlnaHRlZCI6ZmFsc2UsImludGVyYWN0aW9uIjp7fX0%3D&treeLossTsc=eyJoaWdobGlnaHRlZCI6ZmFsc2V9.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Como Citar

Relação dos biomas nos acidentes peçonhentos no Brasil/ Relationship of biomes in venomous accidents in Brazil/ Relación de biomas en accidentes venenosos en Brasil. (2021). Journal Health NPEPS, 6(1). https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/5320

Artigos Semelhantes

1-10 de 120

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)