O Pau da Bandeira entre a Espetacularização Midiática e a Sustentabilidade

Autores

  • Josuel Mariano Da Silva Hebenbrock Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.30681/rccs.v8i8.3155

Palavras-chave:

Festas Populares, Espetacularização, Santo Antônio, Mediação, Sustentabilidade.

Resumo

Muitos autores costumam pensar as festas populares como uma forma de restabelecer a ordem ou negá-la. Este artigo propõe pensar como os fenômenos da espetacularização e da midiatização influenciam na sustentabilidade e consequentemente na manutenção de uma identidade coletiva. O artigo ora apresentado discuti embasado em diversas correntes de pensamentos, as quais são representadas por diversos autores como: Guy Debord (2001), Jean Baudrillard (1995), Benjamin (1982), Gomes (1996), Colling (1998) e Albuquerque (1992), como a sociedade contemporânea pode sobreviver sem a representação e as mediações das imagens. Ao lançar uma olhar crítico sobre a festa de Santo Antônio, desde o ponto de vista econômico, midiático, cultural e sociológico, cabe aos Flâneurs barbalhense escolher que tipo de festa eles gostariam de deixar para suas próximas gerações, uma Festa de Santo Antônio ou uma Festa alegórica do Pau da Bandeira?

Biografia do Autor

Josuel Mariano Da Silva Hebenbrock, Universidade Federal de Pernambuco

Graduando em História pela Universidade Federal de Pernambuco, Graduado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, mestre em Jornalismo e Ciências Políticas pela Universitat Hamburg/Alemanha e Doutor em Comunicação Social pela Universitat Pompeu Fabra-Barcelona/Espanha. Pesquisador associado do Instituto de Estudos da África/UFPE. e-mail: mariano.hebenbrock@gmail.com.

Referências

ALBUQUERQUE, Afonso de. A política do Espetáculo. In: Dimensões. Rio de Janeiro: 1992.

AMARAL, Rita. As Mediações Culturais da Festa. Rev. Mediações, Londrina, v.3, n.1, p.13-22, jan-jun.1998.

APOSTOLIDÈS, Jean –Maria. O rei-maquina. Espetáculo e Política nos tempos de Luíz XIV. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1993.

BARROS, José D’Assunção. Rupturas entre o Presente e o Passado: Leituras sobre as concepções de tempo de Koselleck e Hannah Arendt. Revista Páginas de Filosofia, v. 2, n. 2, p. 65-88, jul/dez. 2010.

BAUDRILLARD, Jean. A Sociedade do Consumo. Lisboa: Elfos Editora, 1995.

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: teoria e metodologia. São Bernardo do Campo: UMESP, 2004.

BENJAMIN, Walter. Paris, die Hauptstadt des XIX. Jahrhunderts. In: -. Gesammelte Schriften. V. V, t. 1. Org. por Rolf Tiedemann. Frankfurt a.M., Suhrkamp Verlag, 1982. p. 28-43.

CAPONERO, Maria Cristina; LEITE, Edson. Inter-relações entre festas populares, políticas públicas, patrimônio imaterial e turismo. Revista Eletrônica. Patrimônio: Lazer & Turismo, v.7, n. 10, abr.-mai.-jun./2010, p. 99-113.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede, Vol I. 8. Ed. Editora, Paz e Terra, 2016.

COLLING, Leandro. O conceito de Espetáculo e o Telejornalismo. A seca e os saques do Nordeste no Jornal Nacional e as Eleições 98. In: Mídia e Eleições 98. Antônio Albino Canelas Rubim (Org.). Ediçoes FACOM. Ed. UFPB, Paraíba, 1998.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo (1931-1994). E.BooksBrasil.com. www.geocities.com-projetoperiferia. 2001- 2003.

DURKHEIM, Émile. Lesformes élémentaires da la vie réligieuse. Paris: PUF,1968.

DUVIGNAUD, Jean. Festas e civilizações. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

FEUERBACH, Ludwig. A Essência do Cristianismo. Editora Vozes, Petrópolis, RJ, 2007.

FREUD, Sigmund. Totem e Tabu. Rio de Janeiro : Imago, 2005 [1913].

GOMES, Wilson. Duas Premissas para a Compreensão da Política Espetáculo. In: O individuo e as mídias. Rio de Janeiro: Diadorim, 1996.

GUARINELLO, Norberto Luiz. Festa, Trabalho e Cotidiano. In.: JANCSÓ, István e KANTOR, Iris (Orgs.). Festas: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. São Paulo: Hucitec; Editora da Universidade de São Paulo; Fapesp; Imprensa Oficial, 2001.

HEBENBROCK, Josuel Mariano da Silva. O Processo Comunicacional na Festa Popular de Santo Antônio, no Sertão do Ceará. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste – Campina Grande – PB – 10 a 12 de Junho 2010.

______________. Mãos Sãs, Corpos Sãos. Produção Audiovisual, Realização Faculdade Paraíso do Ceará, 2010.

HUSSERL, Edmund. Die Krisis der europäishen Wissenshaften und die transzendentale Phänomenologie. Eine Einleitung in die phänomenologische Philosophie. The Hague: Martinus Nijhoff, 1976.

KOSELLECK, Reinhart. “Modernidade”. In: Futuro passado – contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 267-303, 2006.

_______________. “Espaço de Experiência e Horizonte de Expectativas”. In: Futuro passado – contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 311-337 [original: 1979]. 2006.

LE GOFF, Jacques. Patrimônio Histórico, Cidadania e Identidade Cultural: o direito à memória. In: BITTENCOURT, Circe (Org.) O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do Efêmero. São Paulo: Companhia das Letras. 1989.

MAFFESOLI, Michel. A sombra de Dionísio - Contribuição a uma sociologia da orgia. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

MELO, José Marques. Mídia e Cultura Popular: História, Taxionomia e Metodologia da Folkcomunicação. São Paulo: Paulus, 2008.

RUBIM. Antônio Albino Canelas. Mídia e Política: transmissão de poder. In: Mídia, eleições e democracia. São Paulo: Scritta, 1994.

SCHWARTZENBERG, Roger-Gérard. O Estado Espetáculo. Rio de Janeiro: Difel, 1978.

Downloads

Publicado

2018-12-11

Como Citar

Da Silva Hebenbrock, J. M. (2018). O Pau da Bandeira entre a Espetacularização Midiática e a Sustentabilidade. Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 5(2), 128–142. https://doi.org/10.30681/rccs.v8i8.3155