v. 5 n. 2 (2017): A Amazônia e o Cerrado: entre ecos, diálogos e devires comunicacionais

					Visualizar v. 5 n. 2 (2017): A Amazônia e o Cerrado: entre ecos, diálogos e devires comunicacionais

A Amazônia e o Cerrado, além de conservarem a maior diversidade ambiental do Brasil, concentram também uma sociodiversidade singular, mas, ao mesmo tempo, complexa. Desta área de dimensão continental, constata-se a presença de uma variedade étnica, socioeconômica e sociocultural que, para mais para menos, acabam remodelando tanto as práticas econômicas quanto o imaginário social das relações profissionais em Comunicação. O que, por sua vez, em se tratando da pesquisa e do conhecimento da área, demanda um olhar interdisciplinar sobre as múltiplas dinâmicas que configuram e apontam a grande região enquanto lugar privilegiado de novas diásporas, de processos migratórios e de projetos contemporâneos de modernização rural.

Esta condição privilegiada propicia a assunção de objetos, práticas, técnicas e desafios para os profissionais de Comunicação que, quando não deparam com cenários semirrurais de exercício profissional, estão inseridos num flerte de globalização que liga o arcaico da vida na floresta ao devir tecnológico dos dispositivos de captura de subjetividade como celulares e smartphones – então cada vez mais presentes nos mais distantes rincões da Amazonia e do Cerrado brasileiro. 

Trata-se de um território fértil para investigações que, quando comparada às outras regiões brasileiras no tocante à pesquisa científica, sugere-nos outros percursos, sobretudo, no que tange o lugar-comum da Comunicação em torno da ideia de desenvolvimentismo em intersecção com a necessidade de (re) visar e (re)pensar a natureza no século XXI.

Ao mesmo tempo, vale frisar: o intercâmbio e o diálogo sobre o campo de ensino e investigações na Amazônia e o Cerrado devem se insinuar como uma necessidade premente não somente para abordagens endógenas da região, mas a tudo que, direto ou indiretamente, conecta o sentido de morar, transitar e exercer interlocução em comunicação nestas regiões com o que significa e reafirma o pensamento comunicacional brasileiro, latino-americano, ibero-americano.

Assim sendo, o movimento proposto por esta edição da revista Comunicação, Cultura e Sociedade, propõe uma chamada temática para a edição número 8, intitulada Cenários da Pesquisa e ensino em Comunicação e Jornalismo na Amazônia e Cerrado.

A proposta é reunir reflexões teórico-metodológicas, sistematizadas em investigações de pesquisadores e acadêmicos das universidades da região, com foco na realidade regional destacadas na ampla agenda de estudos sobre as duas regiões brasileiras.

 

Lawrenberg Advíncula da Silva (Unemat)

Antônio Carlos Sardinha (Universidade Federal do Amapá – UNIFAP)

Publicado: 11/12/2018

Editorial