CURRÍCULO E O FRACASSO ESCOLAR: UMA RELAÇÃO MEDIADA POR REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E PELA RELAÇÃO COM O SABER

Autores

  • Messias Dieb UNEMAT

Palavras-chave:

currículo, fracasso escolar, representações sociais, relação com o saber.

Resumo

O  objetivo  deste  trabalho  é  discutir  a  relação  entre  o  currículo, como um objeto que forja identidades, e o fracasso escolar,  enfocando,  especialmente,  o  papel  das  representações  sociais  e  da  relação com o saber nessa articulação. De acordo com as discussões  aqui  empreendidas,  as  representações  que  orientam  muitas  práticas  educativas  podem  ser  reveladoras  de  um  currículo  oculto  que  está  sendo  desenvolvido  nas  instituições  escolares,  sem  que  os  professores possam se  dar conta dessa realidade. Ademais, o artigo  sugere  que  se  identificarmos  essas  representações  sociais  acerca,  principalmente, do aluno, poderemos neutralizar o currículo oculto e  desnaturalizar  o  fracasso  escolar.  Para  isso,  propõe,  tal  como  faz  Bernard  Charlot,  que  o fracasso  escolar  não  existe,  o  que  existe  é  uma realidade desigual, socialmente construída, distanciando aqueles  que encontram dos que não encontram sentido na escola, já que esta  não  tem  se  preocupado  em  proporcionar  uma  relação  com  o  saber  satisfatório à sua clientela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABRIC, J.C.. O estudo experimental das representações sociais. In: JODELET, D. (org.). As representações sociais. Trad. Lílian Ulup. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 155-171.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema do ensino. 3. ed. Trad. Reynaldo Bairão. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

CHARLOT, B.. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Trad. de MAGNE, B.. Porto Alegre: Artmed, 2000.

________. (org.) Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Trad. Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2001.

COUTINHO, C. N. Cultura e sociedade no Brasil: ensaios sobre idéias e formas. 2. ed. rev. e ampliada. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

CUNHA JUNIOR, H.. A história africana na formação dos educadores. Cadernos de Apoio ao Ensino, n.º 6, Maringá – PR: Universidade Estadual de Maringá (UEM), pp. 61-77. abr. de 1999.

________. Africanidade, afrodescendência e educação. Revista Educação em Debate, ano 23, v.2, n.º42, Fortaleza: Edições UFC, 2001.

DIAS, C. M. S.; ZASSO, S. M. B.; PEREIRA, F. S. As representações sociais e o imaginário sobre a cultura da escola no processo de alfabetização de mulheres. Disponível em: . Acessado em: 20 jan. 2003, 16:32: 05.

DIEB, M. H. As representações sociais e a pesquisa em educação. In. VI encontro regional interdisciplinar de estudos e pesquisas em representações sociais: perspectivas metodológicas e novas vertentes. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará/GREPRSI, 2004. p. 37-38.

DOISE, W. Atitudes e representações sociais. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Trad. Lílian Ulup. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 187-203.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

________. Pedagogia do oprimido. 40. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005. GEERTZ, C.. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GUIMELLI, C. ; DESCHAMPS, J. C.. Effets de contexte sur la production d’associations verbales: Le cas des représentations sociales des gitans. Cahiers internationaux de psychologie sociale. p. 47-48, 3-4/2000, p. 44-54.

LDB. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

MOSCOVICI, S.. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

NÓVOA, A.. Formação de professores e profissão docente. In. ________. (org.) Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995, p. 15-34.

OLIVEIRA, F. O. de; WERBA, G. C.. Representações Sociais. In. STREY, M.N. et alii. (Orgs.) Psicologia Social: livro texto. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 104-117.

POPKEWITZ, T.S.; LINDBLAD, S.. Estatísticas educacionais como um sistema de razão: relações entre governo da educação e inclusão e exclusão sociais. Educação & Sociedade, Campinas, v. 22, n. 75, p. 111-148, ago. 2001.

RABELO, M. L. Busca da autonomia moral como proposta da educação: experiência em uma escola cooperativa de Fortaleza - CE. Dissertação. (Mestrado em Educação Brasileira). Fortaleza: Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Ceará (UFC), 2000.

SÁ, M. I. P. de; RODRIGUES, R.M. Desenvolvimento e educação. Revista Educação em Debate. Ano 16. nº 27 a 28. Fortaleza: Edições UFC, jan./dez. 1994. p. 13-30.

SACRISTÁN, J. G.; GOMÉS, A. P. La enseñanza: su teoría e su practica. Madri: Akal Universitaria, 1989.

SAVIANI, D.A. Escola e democracia: para além da teoria da vara. ANDE – Revista da Associação Nacional de Educação, ano I, nº 3, São Paulo: Cortez, 1982, p. 56-64.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SOUZA, J. A construção da identidade a partir da dança e da religião. Os urbanistas. Revista de Antropologia Urbana. Ano 1, vol. 1, n.º 1, julho de 2004.

TRINDADE, A. L.; SANTOS, R. dos. (orgs). Multiculturalismo: mil e uma faces da escola. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

TRINDADE, A. L. da. Diversidade cultural e fracasso escolar. Disponível em: . Acessado em: 22 jun. 2005.

Downloads

Publicado

2019-09-26

Como Citar

DIEB, Messias. CURRÍCULO E O FRACASSO ESCOLAR: UMA RELAÇÃO MEDIADA POR REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E PELA RELAÇÃO COM O SABER. Revista da Faculdade de Educação, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 147–171, 2019. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/3562. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

ARTIGO