O GOVERNO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA DE MATO GROSSO SOB A ÉGIDE DO GERENCIALISMO: O CASO DO SIGA

Autores

  • Marilda de Oliveira Costa
  • Maria Clara Ede Amaral

Palavras-chave:

política educacional, educação pública, gerencialismo, gestão democrática

Resumo

A cultura da eficácia e da eficiência tem sido disseminada no meio educacional desde as reformas que começaram a ser implantadas na década de 1990, no caso do Brasil, mas que já se consolidavam anteriormente nos países centrais. Este artigo é parte de uma pesquisa em desenvolvimento que tem como objetivo analisar as implicações do Sistema Integrado de Gestão da Aprendizagem (SIGA) para a gestão democrática e o desempenho dos alunos (1º ciclo) de duas escolas públicas, entre 2010 e 2015. É um estudo de caso, com levantamento e análise de dados quantitativos e qualitativos sobre o programa em âmbito estadual. Discutimos aqui alguns dados já consolidados sobre o programa que demonstram influências de arranjos em que o gerencialismo é apresentado como fórmula eficiente para melhorar a qualidade da educação da rede pública estadual de ensino de Mato Grosso.

Referências

AFONSO, A. J. Avaliação Educacional: Regulação e emancipação - Para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

ALMEIDA, L. C.; DALBEN, A. & FREITAS, L. C. O IDEB: Limites e Ilusões de uma Política Educacional. Educação e Sociedade. vol. 34. n. 125, Campinas, out/ dez 2013, pp.1153-1174.

AMARAL, M. C. E. Relações público-privado na educação de Mato Grosso. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Estadual de Campinas. Campinas/SP, 2014, 221 p.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo-SP: Boitempo, 2003.

APPLE, M. W. Para além da lógica do mercado – compreendendo e opondo se ao Neoliberalismo. (Trad. Gilka Leite Garcia, Luciana Ache). Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

BALL, S. Diretrizes Políticas Globais e relações Políticas Locais em Educação. Currículo Sem Fronteiras, vol.1, nº2, pp.99-116, Jul/Dez 2001.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. 1995.

BRESSER PEREIRA, L. C. Gestão do setor público: estratégia e estrutura para um novo Estado. In: BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos e SPINK, Peter. Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial. 7 ed. Rio de Janeiro: FGV. 2007.

CABRAL NETO, A. Gerencialismo e gestão educacional: cenários, princípios e estratégias. In: FRANÇA, Magna, BEZERRA, M. Costa (Orgs.). Política Educacional: gestão e qualidade do ensino. Brasília: Líber Livro, 2009.

CHESNAIS, F. A Mundialização do Capital. São Paulo-SP: Xamã, 1996. CHESNAIS, F. Capitalismo de fim de século. In: COGGIOLA, Osvaldo (Org.). Globalização e socialismo. São Paulo-SP: Xamã, 1997. p.7-34. (Coleção Fora da Ordem).

COSTA, F. L. da. Condicionantes da reforma do Estado no Brasil. In: MARTINS, P. E. M.; PIERANTI, O. Estado e Gestão Pública: visões do Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

COUTINHO, C. N. Gramsci, Um estudo sobre seu pensamento político. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007

DALE, R. Globalização e Educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum” ou localizando uma Agenda Globalmente Estruturada para a Educação? Educação e Sociedade, vol. 25, nº87, p.423- 460, maio/ago. 2004.

DALE, R. O Marketing do Mercado Educacional e a polarização da Educação. In: GENTILI, Pablo (org.). Pedagogia da exclusão – crítica ao neoliberalismo em educação. 9 ed. Petrópolis/RJ:Vozes, 1995. (Coleção Estudos Culturais em Educação).

FONSECA, M. O Projeto Político Pedagógico e o Plano de Desenvolvimento da Escola: duas concepções antagônicas de gestão escolar. Cad. Cedes. Campinas, Vol. 23, nº 61, p.302-318, 2003. Disponível em: . Acesso em: 10 de fevereiro de 2015.

HARVEY, D. Condição Pós-moderna. 12. ed., São Paulo: Loyola, 2003.

_________. O Enigma do Capital e as crises do capitalismo. São Paulo-SP: Boitempo, 2012.

LIMA, L. O Paradigma da educação contábil. Políticas educativas e perspectivas gerencialistas no ensino superior em Portugal. Revista Brasileira de Educação. nº 4, Jan/Fev/Mar/Abr, 1997.

LIRA, M. et. all. Instituições de ensino superior públicas em Portugal: sua administração sob as premissas da New Public Management e da crise econômica global. Revista Brasileira de Educação. v.20, n.60, p.99-119. 2015. Disponível: http://www.scielo.br. Acesso em: 16 de fevereiro de 2015.

MARINI, C. Gestão Pública: o debate contemporâneo. Fundação Luís Eduardo Magalhães. Salvador: FLEM, 2003 (Cadernos FLEM, 7). MATAS, C. R. Los problemas de La implantación de La nueva gestión pública em las administraciones públicas latinas: modelo de Estado y cultura institucional. CLAD, Nº 21, Caracas, oct. 2001.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado da Educação. Orientativo: Sistema Integrado de Gestão da Aprendizagem. Cuiabá, SEDUC, 2010; 2013.

MÈSZÁROS, I. Para Além do Capital. São Paulo-SP: Boitempo, 2002.

SANTIAGO, R. A. (et. al.). Modelos de governo, gerencialismo e avaliação institucional nas universidades. Revista Portuguesa de Educação. 16 (1), Universidade do Minho, 2003.

XAVIER, A. C; AMARAL SOBRINHO, J. Como elaborar o Plano de Desenvolvimento da Escola: aumentando o desempenho da escola por meio do planejamento eficaz. 2. ed., Brasília: Programa FUNDESCOLA, 1999.

TOLÓ, Maria Aparecida. Coordenadora do SIGA na SEDUC. Entrevista concedida a Elisângela P. Alves e Marilda de O. Costa, SEDUC, em 24 de novembro de 2014.

Downloads

Publicado

10/09/2019

Como Citar

Costa, M. de O., & Amaral, M. C. E. (2019). O GOVERNO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA DE MATO GROSSO SOB A ÉGIDE DO GERENCIALISMO: O CASO DO SIGA. Revista Da Faculdade De Educação, 24(2), 97–112. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/3954

Edição

Seção

ARTIGO