DA NOÇÃO DE ESCREVIVÊNCIA À IDEIA DE UMA LITERATURA EMPENHADA: REPRESENTAÇÕES DE UM DEVIR-MULHER-NEGRA NA OBRA DE CONCEIÇÃO EVARISTO

Autores

  • Roniê Rodrigues da Silva Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i44.11097

Palavras-chave:

Conceição Evaristo, devir-mulher-negra, escrevivência, literatura empenhada

Resumo

Considerando a noção de escrevivência e o caráter empenhado da literatura de Conceição Evaristo, este artigo problematiza as formas de representação da mulher negra na obra da referida autora, associando-as ao construto teórico do devir-mulher-negra, a partir dos estudos dos filósofos Gilles Deleuze e Félix Guattari (1997). No desenvolvimento da discussão, realizamos uma leitura crítica de dois textos literários, o poema “Vozes-mulheres” e o conto “Duzu-querença”, demonstrando como a escrita evaristiana se constitui como uma espécie de projeto político e social, testemunho e ficção, a partir do qual vai trazendo à tona elementos apagados ou desprivilegiados por uma tradição literária.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Roniê Rodrigues da Silva, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

    Possui Graduação em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2000), Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2003) e Doutorado em Estudos da Linguagem, área de concentração em Literatura Comparada, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2010). Realizou Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba, com bolsa do Programa Nacional de Pós-doutoramento (PNPD/Capes). É Professor Adjunto IV da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, atuando no Departamento de Letras Vernáculas e no Programa de Pós-graduação em Letras. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira e Literatura Comparada, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura e Identidade Nacional, Literatura e Alteridade e Literatura e Sociedade. É Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, credenciado no Mestrado e Doutorado em Letras, onde desenvolve pesquisas na área da Pós-Graduação.

Referências

CANDIDO, Antonio. Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2011.

CARNEIRO, Altair de Souza. Deleuze e Guattari: uma ética dos devires. Toledo, 2013. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – CCHS, UNIOESTE.

DALCASTAGNÉ, Regina. Um território contestado: literatura brasileira contemporânea e as novas vozes sociais. Iberic@l: Revue d’etudes ibériques el ibéro-américaines, Paris, FR: Universidade de Paris – Sorbonne, nº 02, p. 13-18, 2012.

DELEUZE, Gilles & GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 3. Tradução Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Claudia e Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1996.

______. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 4. Tradução Suely Rolnik. São Paulo: Editora 34, 1997.

______. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 5. Tradução Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 1997(b).

DELEUZE, Gilles. O abecedário de Gilles Deleuze. Entrevista a Claire Parnet em 1988. Vídeo transcrito e traduzido por Tomáz Tadeu da Silva. Éditions Montparnasse, Paris, 2004.

DUARTE, Constância Lima. Gênero e violência na literatura afro-brasileira. In: Duarte, Constância Lima et al. Falas do outro: literatura, gênero, identidade, Belo Horizonte, Nandyala, 2010.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas Mini, 2016.

______. Poemas da recordação e outros movimentos. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

______. Da grafia-desenho da minha mãe, um dos lugares de nascimento da minha escrita. Em ALEXANDRE, Marcos Antônio (Org). Representações Performáticas Brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

GUATTARI, Félix & ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

NETO, João Leite Ferreira. Micropolítica em Mil Platôs: uma leitura. Psicologia USP. Vol. 26, Nº 3, p. 397-406, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-656420140009

QUEIROZ JÚNIOR, Teófilo. Preconceito de cor e a mulata na literatura brasileira. São Paulo: Ática, 1982

Downloads

Publicado

21/08/2023

Edição

Seção

Dossiê Temático 2023/1 "As escrevivências de Conceição Evaristo: as mulheres negras no centro das narrativas"

Como Citar

DA NOÇÃO DE ESCREVIVÊNCIA À IDEIA DE UMA LITERATURA EMPENHADA: REPRESENTAÇÕES DE UM DEVIR-MULHER-NEGRA NA OBRA DE CONCEIÇÃO EVARISTO. (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(44). https://doi.org/10.30681/rln.v16i44.11097

Artigos Semelhantes

1-10 de 244

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.