O ESPAÇO DO TRANSPORTE COLETIVO REPRESENTADO NA LITERATURA: ANÁLISE DO CONTO “MARIA”, DE CONCEIÇÃO EVARISTO

Visualizações: 71

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i44.11120

Palavras-chave:

espaço, transporte coletivo, conto, questões-étnico raciais

Resumo

Neste artigo, investiga-se a natureza do espaço do transporte coletivo a partir de sua representação na literatura, mais especificamente no conto “Maria”, publicado no livro Olhos d’água, da escritora Conceição Evaristo. No conto, o espaço do transporte coletivo tem centralidade e relevância para o enredo. Trata-se de um espaço peculiar, que pode ser percebido de diversas formas, dependendo do contexto, dos acontecimentos durante o deslocamento e mesmo da subjetividade do sujeito que nele está. Aborda-se também a representação da negritude na literatura, a escrita de mulheres negras e a escrevivência. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suéllen Rodrigues Ramos da Silva, Instituto Federal da Paraíba / Universidade Federal de Campina Grande

Doutora em Letras (2018), tendo defendido a tese intitulada "Morrer, gestar, renascer: estetização e autorrepresentação nos documentários 'Elena' e 'Olmo e a gaivota'", junto ao Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). É mestra em Letras (2014), pelo PPGL/UFPB, com defesa da dissertação "Artur e Santiago: relações entre jornalismo narrativo e cinema-documentário". É bacharela em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, também pela UFPB (2007). É licenciada em Letras, habilitação em Língua Portuguesa, pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), com o trabalho "O espaço do transporte coletivo representado na literatura: análise dos contos Maria e Ei, Ardoca, de Conceição Evaristo" (2021). É professora substituta vinculada ao curso de Licenciatura em Educação do Campo, área Linguagens e Códigos, pela Universidade Federal de Campina Grande, campus Sumé (2022) e faz parte do Grupo de Pesquisa sobre Ficção e Produção de Sentido (Ficções/UFPB). Atuou como professora substituta do curso de Jornalismo da Universidade Estadual da Paraíba, de maio de 2018 a dezembro de 2019 e na coordenação do núcleo de comunicação do projeto "A saúde dos trabalhadores da saúde no contexto da pandemia da covid-19: prevenção e cuidado", aprovado pelo CNPq em edital voltado ao enfrentamento da covid-19 para o biênio 2020 a 2022. Realiza estudos sobre documentário estetizado, jornalismo narrativo e autorrepresentação, tendo interesse em pesquisas que abordem as relações entre os campos da literatura, do cinema e do jornalismo.

João Edson Rufino, Instituto Federal da Paraíba (IFPB)

Possui graduação em Letras Vernáculas (1996), especialização em Letras e Literatura Vernáculas (1999), mestrado em Literatura e Crítica Cultural (2002) pela Universidade Federal da Bahia e doutorado em Literatura e Interculturalidade (2016) pela Universidade Estadual da Paraíba. Atua principalmente nos seguintes temas: língua brasileira, etnicidade, crítica cultural, representação e memória afro-brasileira, música popular, literatura africana de língua portuguesa, literatura afro-brasileira, letramento racial, relações etnicorraciais e educação antirracista.

Referências

ALCÂNTARA JR., José. Sociabilidades em ônibus urbanos. São Paulo: Grupo de Estudos e Pesquisas das Formas Sociais. Universidade Federal do Maranhão, 2010.

BORDINI, Maria da Glória; AGUIAR, Vera Teixeira. Literatura: a formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

BOSI, Alfredo. Situação e formas do conto brasileiro contemporâneo. In: BOSI, Alfredo (org.). O conto brasileiro contemporâneo. São Paulo: Cultrix, 1985. p. 7-22.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: CANDIDO, Antonio. Vários escritos. 5. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2011. p. 171-193.

EVARISTO, Conceição. A escrevivência e seus subtextos. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (org.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Ilustrações: Goya Lopes. 1. ed. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020. p. 26-46.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 17-31, 2 sem., 2009. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4365. Acesso em: 2 maio 2021.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. 2. ed. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2016.

FERNANDES, António Teixeira. Espaço social e suas representações. VI Colóquio Ibérico de Geografia, Porto, 14 a 17 set. 1992. Disponível em: https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/artigo6661.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

FOUCAULT, Michel. Representar. In: FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. p. 63-105. (Coleção Tópicos).

GILLES, Deleuze; GUATTARI, Félix. Mil platôs — capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

GONZALEZ, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira: uma abordagem político-econômica. Los Angeles, 10 maio 1979. In: GONZALEZ, Lélia. Primavera para rosas negras. Coletânea organizada e editada pela UCPA — União dos Coletivos Pan-Africanistas. Diáspora Africana: Editora Filhos da África, 2018. p. 34-53.

hooks, bell. Olhares negros, raça e representação. Tradução de Stephanie Borges. São Paulo: Elefante, 2019.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Editora Ática, 1993.

LINS, Osman. Espaço romanesco: conceitos e possibilidades. In: LINS, Osman. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976. p. 62-76.

MUNANGA, Kabengele. Apresentação. In: MUNANGA, Kabengele (org.). Superando o racismo na escola. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 15-20.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

SANTOS, Luis Alberto Brandão; OLIVEIRA, Silvana Pessôa de. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

Downloads

Publicado

21/08/2023

Como Citar

Silva, S. R. R. da, & Edson Rufino, J. E. (2023). O ESPAÇO DO TRANSPORTE COLETIVO REPRESENTADO NA LITERATURA: ANÁLISE DO CONTO “MARIA”, DE CONCEIÇÃO EVARISTO. Revista De Letras Norte@mentos, 16(44). https://doi.org/10.30681/rln.v16i44.11120

Edição

Seção

Dossiê Temático 2023/1 "As escrevivências de Conceição Evaristo: as mulheres negras no centro das narrativas"