O JARDINEIRO EM “A MULHER RAMADA”, DE MARINA COLASANTI: O HOMEM CONSTITUÍDO PELO TRABALHO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i43.10557

Palavras-chave:

Marina Colasanti, Literatura contemporânea, personagem

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma leitura crítica do conto “A mulher ramada”, de Marina Colasanti, presente na obra Doze Reis e a Moça no Labirinto do Vento (2006). Especificamente, interessa-nos observar aspectos composicionais do conto, responsáveis por uma constituição gradual do personagem protagonista, o jardineiro, que parece ser condicionado pelo trabalho na medida em que transfere atos próprios do ofício de jardinagem às suas relações interpessoais, principalmente à sua relação amorosa com Rosamulher.

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Vanderluce Moreira Machado de Oliveira, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - IFMT - Campus de Pontes e Lacerda

    Possui graduação em Letras pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2002), mestrado em Estudos Literários pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2011) e doutorado em Estudos Literários pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2018). Atualmente é professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso campus Pontes e Lacerda - Fronteira Oeste. Tem experiência na área de Letras, com ênfase na lírica moderna, atua principalmente nos seguintes temas: ressignificação, repetição/reescritura, procedimento, criação,, escritos poéticos

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada: Nova Tradução na Linguagem de Hoje. São Paulo: Paulinas Editora, 2005. 1464p.

BOURDIEU, Pierre. Dominação masculina. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

COLASANTI, Marina. Contos de amor rasgados. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

COLASANTI, Marina. Doze reis e a moça no labirinto do vento. Ilustrações da autora. 12. ed. São Paulo: Global, 2006.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 29ª. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2016.

FORSTER, Edward Morgan. Aspectos do romance. 4.ed. rev. São Paulo: Globo, 2005.

FRIEDMANN, Norman. Point of view in fiction. The development of a critical concept. In: STEVICK, Philip (org) The Theory of the Novel. London: Collier-Macmillan, New York: The Free Press, 1967.

HAMBURGER, Kate. A lógica da criação literária. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

LUKÁCS, Georg. Ensaios sobre literatura. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968.

LUKÁCS, Georg. Para uma ontologia do ser social. Maceió: Coletivo Veredas, 2013.

SILVA, Marinês Soares. Pigmalião revisitado: a construção do ser amado em “A mulher ramada”, “A moça tecelã” e “A verdadeira estória de um amor ardente”, de Marina Colasanti. REVELLI – Revista de educação, linguagem e literatura, Inhumas/GO, v.10, n.1, p. 228 – 242, Maio, 2018.

SILVA, Vera Maria T. A dupla face dos contos de Marina Colasanti. In: CECCANTINI, João Luís C. T. (Org.). Leitura e literatura infanto-juvenil acadêmica: memória de gramado. São Paulo: Cultura Acadêmico. Assis, ANLSP, 2004.

TODOROV, Tzvetan. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

Downloads

Publicado

22/06/2023

Edição

Seção

Dossiê Temático - Literatura, Gênero e Raça

Como Citar

O JARDINEIRO EM “A MULHER RAMADA”, DE MARINA COLASANTI: O HOMEM CONSTITUÍDO PELO TRABALHO. (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(43). https://doi.org/10.30681/rln.v16i43.10557

Artigos Semelhantes

1-10 de 253

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.