QUALIDADE DO ENSINO FUNDAMENTAL PRETÉRITO NA PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS

Autores

  • Arno Rieder

DOI:

https://doi.org/10.30681/2178-7476.2018.29.3561

Palavras-chave:

Agronomia, Biologia, Enfermagem, categorias qualitativas.

Resumo

O ensino de boa qualidade revela bom rendimento escolar para a maioria dos estudantes. Analisou-se a Qualidade do Ensino Fundamental (QEF) percebida por estudantes universitários. Os dados da pesquisa são de opinião sobre a QEF outrora recebida [fraca, média, boa e excelente] por alunos da UNEMAT de Agronomia, Biologia e Enfermagem, no período de 2013 a 2016. As respostas (%) são curso-dependentes (?=5%) apenas em 2013 e no total; e ano-dependentes só em Enfermagem. Nos cursos, as QEF diferenciaram-se: [média (41-54%) > boa (24-31%) ? fraca (17-32%) > excelente (<3,5%)]. Cada categoria foi similar entre os anos (fraca: 24,24%; média: 45,88%; boa: 27,16%; excelente: 2,70%). A QEF “insatisfatória” (fraca + média: 70,13%) foi distinta e 2,34 vezes maior que a “satisfatória” (bom + excelente: 29,86%), embora elas tenham sido similares entre cursos e entre anos. Não foi observada melhoria na QEF percebida pelos opinantes, nos cursos e no tempo.

Referências

ABRAMOWICZ, Mere. Memorial. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.14, n.4, out-dez, 2016, p.1576-1590. Disponível em:< ttp://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum 1577>; Acesso em: 08 jul. 2018.

AOKI, Bruna Mazini. Análise da evasão acadêmica no curso de Engenharia de Produção da Universidade Federal de Rondônia no período de 2010 a 2015. Cacoal/RO: UNIR, 2016. 57 f. Disponível em:<http://ri.unir.br:8080/xmlui/handle/123456789/1386>.26 mar. 2018.

AUGUSTO, Rosana. A auto-avaliação Institucional na visão dos coordenadores das Comissões Próprias de Avaliação das Instituições de Ensino Superior de Campinas. Campinas: PUC-Campinas. 2007. 155p. Disponível em:<http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/599>. Acesso em: 26 mar. 2018

BRASIL. Presidência da Republica. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996: Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em:<https://www.planalto.gov.br/cci- vil_03/Leis/L9394.htm> .Acesso em: 26 mar. 2018

BRASIL. Ministério da Educação. Inep. Ações Internacionais. O que é o PISA? Brasília: INEP, 2007. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/artigo/-/as-set_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/o-que-e-o-pisa/21206> .Acesso em: 26 mar. 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano decenal de educação para todos. Brasília: MEC, 1993.

CALLEJA, José Manuel Ruiz. Os professores deste século. Algumas reflexões. Revista Institucional Universidad Tecnológica del Chocó Investigación Biodi- versidad y Desarrollo, v.27, n.1, 2008, p.109-117. Disponível em:<http://revistas.utch.edu.co/ojs5/index.php/revinvestigacion/article/view/442> . Acesso em: 23 mar. 2018.

CHAGAS, Elza Marisa Paiva de Figueiredo. Educação matemática na sala de aula: problemáticas e possíveis soluções. Millenium, 2004. p.240-248. Dis- ponível em: <http://repositorio.ipv.pt/handle/10400.19/577>. Acesso em: 22mar. 2018

COSTA, José Junio Souza da. A Educação segundo Paulo Freire: uma primeira análise filosófica. Theoria - Revista Eletrônica de Filosofia, v.VII, n.18, 2015, p.72-88. Disponível em: <http://www.theoria.com.br/edicao18/06182015RT.

pdf>. Acesso em: 19 mar.2018.

GONÇALVES, Carla Liliane dos Santos. O aluno e a transição: relação entre auto-conceito e atitudes face à escola. 2013. 83p. Dissertação (Mestrado em Psicologia da Educação). Universidade de Madeira. Funchal, Portugal, 2013. Disponível em: <https://digituma.uma.pt/bitstream/10400.13/432/1/MestradoLilianaGoncalves.pdf>. Acesso em: 23 mar.18.

MAGALHÃES, Susana; NEVES, Silvia Pina; LIMA SANTOS, Nelson. Auto-conceito de competência: diferenças entre cursos de carácter geral e profissional no ensino secundário português. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía Educación, 10 (8), 2003, p.263-272. Disponível em: <http://ruc.udc.es/dspace/bitstream/handle/2183/6960/RGP_10-24.pdf?sequence=1>. Acesso em: 25 mar. 2018.

MESQUITA, Silvana Soares de Araujo. Fatores intraescolares e desempenho escolar: o que faz a diferença. 2009. 126 f. Disponível em: <https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nr- Seq=14621@1> .Acesso em: 22mar. 2018.

MIRANDA, João Milton Cunha de. Desempenho na Prova de Biologia do Ves- tibular 95.1 Versus Rendimento Acadêmico na Disciplina Biologia: Análise do Rendimento dos Alunos do Centro de Ciências da Saúde/Unifor. Revista Educação em Debate, v.17, n.29-32, 2017. Disponível em: <http://www.periodicosfaced.ufc.br/index.php/educacaoemdebate/article/download/215/132> .Acesso em: 24 mar.18.

MOURÃO, Lucia de Mello. A reflexividade dos jovens do Ensino Médio sobre o contraste tecnológico entre a escola pública e a sociedade. 2006. 102f. Dissertação (Mestrado em Educação), Programa de Pós-graduação em Educação

da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2006. Disponível em:

www.proped.pro.br/teses/teses_pdf/2005_1-141-me.pdf> Acedsso em:

mar2018.

OECD. PISA - Programme for International Student Assessment (PISA). Coun- try note. Results from 2015. [Brasil. Resumo de resultados nacionais do PISA

, 2016. 7p. Disaponível em:<https://www.oecd.org/pisa/PISA-2015-Brazil-PRT.pdf>. Aacesso em: 26 mar 2018.

PAIXÃO, Alessandro Gonçalves da. O direito ao ensino superior e o capital: o caso Faculdade Anhanguera de Anápolis. PUCGoiaás. 2010. Disponível em:

< http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/2778>. Acesso em: 22

mar.2018.

PALAZZO, Janete; GOMES, Candido Alberto. Origens sociais dos futuros educadores: a democratização desigual da educação superior. Avaliação (Campinas), Sorocaba , v.17, n.3, Nov, 2012, p.877-898. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sciarttext&pi- d=S1414-40772012000300013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 26 mar. 2018.

RIBEIRO NETO, Adolpho. Qualidade do ensino, avaliação do aprendizado e

acesso à Universidade. Educação e Seleção, n. 03, 1981, p. 81-84. Disponível em:http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/edusel/issue/view/259/

showToc>. Acesso em: 08 jul. 2018.

SILVA, Naira Vincenzi da; MENDES, Elise; DA MOTA ALVES, João Bosco. Estudo sobre métrica avaliativa da aprendizagem: uma integração entre lógica de fuzzy, mapa conceitual e taxonomia educacional. In: TISE - Conferência Internacional sobre Informática na Educação, 2013, Porto Alegre. Nuevas Ideas en Informática Educativa, v. 9, 2013, p. 629-632. Disponível em: < http://www.tise.cl/volumen9/TISE2013/629-632.pdf>. Acesso em: 22 mar.2018

Downloads

Publicado

28/08/2019

Como Citar

Rieder, A. (2019). QUALIDADE DO ENSINO FUNDAMENTAL PRETÉRITO NA PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS. Revista Da Faculdade De Educação, 29(1), 35–61. https://doi.org/10.30681/2178-7476.2018.29.3561

Edição

Seção

ARTIGO