O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR EM DUAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL EM JUÍNA (MT)

Autores

  • Marilda de Oliveira Costa
  • Everaldo Dias Matteus

DOI:

https://doi.org/10.30681/2178-7476.2018.29.121143

Palavras-chave:

educação integral, Programa Mais Educação, política educacional, trabalho voluntário.

Resumo

Este artigo refere-se às implicações do trabalho voluntário no Programa Mais Educação (PME) na organização escolar em duas escolas da rede pública estadual de MT. Tem por objetivo problematizar a atuação dos monitores/voluntários do referido Programa. Dentre os referenciais teóricos que subsidiaram o estudo, encontram-se autores que discutem a crise estrutural do capital (MÈSZAROS, 2002), (HARVEY, 2008), o papel do Estado, reformas neoliberais e de terceira via (GIDDENS, 2001), (PERONI, 2003; 2007), o neodesenvolvimentismo (BRANCO, 2009), terceiro setor e voluntariado em educação (MONTÃNO, 2010), (SOUZA, 2013), (COSTA, 2014). É uma pesquisa de abordagem qualitativa, com análise documental e bibliográfica, com coleta de dados por meio de questionário e entrevistas semiestruturadas aplicadas a sujeitos envolvidos com a implementação do PME. O estudo buscou compreender o perfil desses trabalhadores voluntários, bem como as condições e relações de trabalho estabelecidas na materialização do Programa.

Referências

ALGEBAILE, E. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: Lamparina; FAPERJ, 2009. BIANCHETTI, Roberto G. Modelo Neoliberal e Políticas Educacionais. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

BOITO Jr, A. As bases políticas do neodesenvolvimentismo. Trabalho apresentado na edição de 2012 do Fórum Econômico da FGV / São Paulo, 2012.

BRANCO, R. C. O novo desenvolvimentismo e a decadência ideológica do estruturalismo Latino-Americano. OYKOS, Rio de Janeiro, v.8, n. 01, 2009, pp. 71-90.

BRASIL, Decreto n.º 7.083, de 27 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Educação. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Lei n.º 9.608 de 18 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências. Brasília, DF. 18 fev. 1998a.

BRASIL. Lei n.o 9.732/1998 de 11 de dezembro de 1998, referente às entidades filantrópicas que atuam nas áreas da assistência social, saúde e educação. Brasília, DF, 11 de dezembro de 1998b.

BRASIL. Lei n.o 9.790/1999, que regulamenta as organizações da sociedade civil de interesse público (OSCIP). Brasília, DF. 23 de março de 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Rede de saberes Mais Educação: pressupostos para projetos pedagógicos de educação Integral. Brasília-DF: MEC/Secad, 2009a.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado – Brasília: Presidência da República, Câmara da Reforma do Estado, Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. 1995

BARSIL. Ministério da Educação. Portaria normativa interministerial n.º 17, de abril de 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. SECADI. Programa Mais Educação: gestão intersetorial no território. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2009b. BRESSER-PEREIRA, L.C. “Novo-desenvolvimentismo”. Folha de São Paulo/ Caderno Dinheiro, 19/09/2004. 2004a.

COSTA Marilda de Oliveira. Concepções de gestão nos programas do Instituto Ayrton Senna no contexto de alterações no papel do Estado e da sociedade civil. Porto Alegre. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2011, 353 f. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. COSTA Marilda de Oliveira. Parcerias, Participação e Trabalho Voluntário na Educação. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador – BA, v. 6, p. 1-11-11, 2014.

DEWEY, John. (1979). Como Pensamos. São Paulo: Cia Editora Nacional.1ª. Ed. 1933.

FERNANDES, Maria Dilnéia Espíndola. PERONI, Vera Maria Vidal; OLIVEIRA, Regina Tereza Cestari de. Estado e terceiro setor: as novas regulações entre o público e o privado na gestão da educação básica brasileira. Educação e Sociedade, Campinas – SP, v. 30, p. 761-778, 2009.

GADOTTI, Moacir. Educação Integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

GIDDENS, Anthony. A terceira via: reflexões sobre o impasse político atual e o futura da social-democracia. Rio de Janeiro: Record, 2001. GIDDENS, Carlos. Terceiro Setor e Questão Social. Crítica ao padrão emergente de intervenção social. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010. HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 17ªedição, 2008.

HARVEY, David. O Neoliberalismo: história e implicações. Tradução: Adail Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola, 2008a.

MACIEL. A. L. S; BORDIN. E. B. A Face privada na gestão das políticas públicas. Porto Alegre: Fundação Irmão José Otão, 2014.

MATO GROSSO, SEDUC. Escola Ciclada de Mato Grosso: novos tempos e espaços para ensinar–aprender a sentir, ser e fazer. Cuiabá: SEDUC, 2000.

MATO GROSSO, SEDUC. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO. Escola Estadual Ana Neri. Secretaria de Estado de Educação de MT. 2013.

MATO GROSSO, SEDUC. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO. Escola Estadual Marechal Rondon. Secretaria de Estado de Educação de MT. 2013.

MATO GROSSO. SEDUC. CEFAPROS. www2.seduc.mt.gov.br. Acesso em 23/07/2018.

MOLL, Jaqueline, et al. Caminhos da educação integral no Brasil: direito a outros tempos e espaços educativos. Porto Alegre: Penso, 2012. MONTAÑO, Carlos. Das lógicas do Estado às lógicas da sociedade civil: Estado e Terceiro Setor em questão. Revista Serviço Social & Debate Espaço Público, Cidadania e Terceiro Setor. N.59, Ano XX, março, 1999. MONTAÑO, Carlos. Novas configurações do público e do privado no contexto capitalista atual: O papel político-ideológico do “Terceiro Setor”. In: ADRIÃO, Theresa e PERONI, Vera. (Org.) Público e Privado na Educação: Novos elementos para o debate. São Paulo: Xamã, 2008.

MONTAÑO, Carlos. Terceiro Setor e Questão Social: crítica ao padrão de emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2010.

NAVARRO, Natalia. A Intersetorialidade como Modelo de Gestão das Políticas de Combate à Pobreza no Brasil: O Caso do Programa Bolsa Família no Município de Guarulhos. 2011, 168 f. Dissertação de Mestrado - Escola de Administração de Empresas de São Paulo.

PARK, Margareth B., et. al. Voluntariado, categoria trabalhista? Reflexões e provocações, Revista de Ciências da Educação do Centro Unisal, Americana, ano 08, no. 15, 2º. Semestre 2006, p. 93-130.

PARO, Vitor Henrique; et al. Escola de Tempo integral: desafio para o ensino público. São Paulo: Cortez / Autores Associados, 1988.

PERONI, Vera M. Vidal. ADRIÃO, Theresa. Público não-estatal: estratégias para o setor educacional brasileiro. In: ADRIÃO, Theresa.PERONI, Vera M. Vidal. O público e o privado na educação. Interfaces entre Estado e sociedade. São Paulo. Xamã:2005.

PERONI, Vera M. Vidal. Reforma do Estado e a tensão entre o público e o privado. In: Revista SIMPE – RS, p. 11-33. Porto Alegre, 2007.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. A Educação em tempos de neoliberalismo. Artmed: Porto Alegre, 2003.

SCHIMONEK, Elisangela Maria Pereira. Programas governamentais para a educação em tempo integral no Brasil e Portugal: implicações sobre as desigualdades educacionais. Campinas. Universidade Estadual de Campinas. 2017, 409 f. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP. SICSÚ, João. et.al. 2007. Por que novo-desenvolvimentismo? Revista de Economia Política, São Paulo, v.27, n.4 (108), out-dez, p.527-524. SILVA, Jamerson Antonio de Almeida da; SILVA, Katharine Ninive Pinto. Educação integral no Brasil de hoje. Curitiba, PR: CRV, 2012.

SILVA, Rose Cléia Ramos da. As políticas educacionais no Brasil dos anos de 1990: problematizando a descentralização e a municipalização da educação básica. In: SILVA, Maria das Graças Martins da. (Org.) Políticas Educacionais: faces e interfaces da democratização. Cuiabá: EdUFMT, 2011.

SOUZA, Silvana A. de. Educação, trabalho voluntário e “responsabilidade social”. São Paulo: Xamã, 2013.

TEIXEIRA. Anísio. Educação para a democracia: introdução à administração educacional. 2. Ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

VIEIRA, Evaldo. A social-democracia, longo caminho até a terceira via. Currículo sem Fronteiras, v. 13, n. 2, p. 182-203, maio/ago. 2013.

Downloads

Publicado

28/08/2019

Como Citar

Costa, M. de O., & Matteus, E. D. (2019). O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR EM DUAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL EM JUÍNA (MT). Revista Da Faculdade De Educação, 29(1), 121–143. https://doi.org/10.30681/2178-7476.2018.29.121143

Edição

Seção

ARTIGO