HIPERATIVIDADE: MITOS E VERDADES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/21787476.2020.34.3959

Resumo

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) atualmente se apresenta como um desafio ao ambiente educacional. A falta de conhecimentos do educador é fonte de erros educacionais, podendo levar a uma mitificação desta patologia. O estudo tem por objetivo avaliar os conhecimentos de alunos de Pedagogia sobre TDAH e analisar disciplinas do curso que o abordavam. Usando questionários estruturados, 201 alunos de Pedagogia foram convidados a participar do estudo. Estes apresentavam questões gerais e possíveis erros de conceitos. Grande parte dos alunos avaliados tinha bom conhecimento sobre TDAH assim como erros conceituais estiveram em uma maior porcentagem entre os alunos de primeiro e segundo anos. Entretanto, nenhuma disciplina do curso de Pedagogia desta instituição discutia especificamente o TDAH. Apesar dos alunos terem conhecimentos adequados sobre TDAH, as disciplinas do curso de Pedagogia não discutiam corretamente este transtorno, pode ser uma explicação pelo qual oTDAH ainda continua como um desafio educacional.

Biografia do Autor

Vera Lúcia Messias Fialho Capellini, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Bauru /SP – Brasil

Doutora. Professora e Coordenadora do Curso de Pedagogia.Departamento de Educação da Faculdade de Ciências.Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Bauru /SP – Brasil

Lys Angélica Grande Lamera, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Bauru /SP – Brasil.USP

Doutoranda. Professora Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP.Bauru /SP – Brasil.USP - 

Priscila Rocha Machado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESPBauru /SP – Brasil.

Mestre. Professora Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESPBauru /SP – Brasil.

Referências

ANDRADE, A. C.;FLORES-MENDOZA, C. Transtorno do Déficit de atenção/Hiperatividade: o que nos informa a investigação dimensional? Estudos de Psicologia, 15(1), Jan-abr/2010, p.17-24.

ARRUDA, M.A. Levados da breca: um guia sobre crianças e adolescentes com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Ribeirão Preto: Blanche Ricci, 2008.

BARKLEY, R.A. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH): guia completo e autorizado para os pais, professores e profissionais da saúde. Trad. Luis Sergio Roizman. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990.

BRASIL.Ministério da Educação.Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional.Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRZOZOWSKI, F. S.; CAPONI, S. Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade: classificação e classificados.IXCongreso Internacional De Salud Mental Y Derechos Humanos. 2010.

DuPAUL, G. J.; STONER, G. TDAH nas escolas. Trad. Dayse Batista. São Paulo: M. Books do Brasil, 2007.

ÊIDT, N. M.; TULESKI, S. C. Transtorno de Déficit de Atenção/ Hiperatividade e Psicologia Histórico-Cultural.Cadernos de Pesquisa, v.40, n.139, jan./abr. 2010.

FERREIRA, S. L. Ingresso, Permanência e Competência: uma realidade possível para universitários com Necessidades Educacionais Especiais.2007. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, Jan.Abr. 2007, v.13, n.1, p.43-60.

MATTOS, P. No mundo da lua: Perguntas e respostas sobre transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em crianças, adolescentes e adultos. 4 ed. São Paulo: Lemos Editorial, 2005.

MESSINA, L. F.; TIEDEMANN, K. B. Avaliação da memória de trabalho em crianças com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade.Psicol. USP v.20 n.2 São Paulo, jun. 2009.

MICHAELIS. Dicionário de Português Online. Ed. Melhoramentos. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=disrup%E7%E3o. Acesso em: 16 fev 2015.

MIRANDA, T. G. et al. O professor e a Educação Inclusiva: Formação, prática e lugares.EDUFBA Salvador, 2012.

OMOTE, S. Estigma no tempo da inclusão.Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, Set./Dez. 2004, v.10, n.3, p.287-308.

PFIFFNER, L.J; BARKLEY, R.A. Rumo à escola com o pé direito: Administrando a educação de seu filho.In: BARKLEY, R.A. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH): guia completo e autorizado para os pais, professores e profissionais da saúde. Trad. Luis Sergio Roizman. Porto Alegre: Artmed, 2002.

RODHE, L.A; BENCZIK, E.B.P. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: o que é?Como lidar?Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SANTOS, L. F.; VASCONCELOS, L. A. Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade em Crianças: Uma Revisão Interdisciplinar. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Out-Dez 2010, Vol. 26 n. 4, pp. 717-724.

SENA, S. S.; SOUZA, L. K. Amizade em meninos com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade.Estud. psicol. (Campinas) vol.30 no. 3. Campinas Jul/Set. 2013.

SIGNOR, R. Transtorno de déficit de atenção/ hiperatividade: uma análise histórica e social.Rev. bras. linguist. apl. Belo Horizonte, Out./Dez. 2013,vol.13, no.4.

SILVA, J. C. M. Formação continuada dos professores: visando a própria experiência para uma nova perspectiva. Revista Iberoamericana de Educación / Revista Ibero-americana de Educação ISSN: 1681-5653 n.º 55/3 – 15/04/11.

Downloads

Publicado

2021-01-11

Como Citar

Capellini, V. L. M. F., Lamera, L. A. G., & Machado, P. R. (2021). HIPERATIVIDADE: MITOS E VERDADES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Revista Da Faculdade De Educação, 34(2), 39–59. https://doi.org/10.30681/21787476.2020.34.3959

Edição

Seção

ARTIGO