FORMAS DA BIOGRAFIA EM DRAMATURGIAS NEGRAS CONTEMPORÂNEAS: UMA LEITURA DE MERCEDES, DE SOL MIRANDA

Autores

  • Luan Queiroz da Silva Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i43.10752

Palavras-chave:

Biografia, Dramaturgia contemporânea, Teatros negros

Resumo

Para este artigo, proponho uma discussão a respeito de como a dramaturgia, especialmente a dramaturgia negra contemporânea, vem tomando como uma de suas preocupações a escrita de acontecimentos históricos. Nesse processo, observo que se estabelece uma apropriação de formas da biografia, o que implica um olhar direcionado à maneira com que elementos como a cronologia e o personagem biografado são confeccionados no texto dramatúrgico. Ilustro brevemente essas questões a partir da leitura de Mercedes, dramaturgia de Sol Miranda, que toma como núcleo da tessitura do drama a vida da bailarina Mercedes Baptista (1921-2016), primeira dançarina negra a compor o balé do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

ALEXANDRE, Marcos. O teatro negro em perspectiva: dramaturgia e cena negra no Brasil e em Cuba. Rio de Janeiro: Editora Malê, 2017.

ARANTES, Luiz Humberto. Memórias e subjetividades: processamentos de uma história da espetacularidade em três encenações biográficas. Opsis, Goiânia, v.13, n.1, p. 239-247, 2013. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/307755851_Memorias_e_subjetividades_processamentos_de_uma_historia_da_espetacularide_em_tres_encenacoes_biograficas >. Acesso em: 06 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.5216/o.v13i1.20234

ARAÚJO, Emanoel. Negras Memórias: o imaginário luso-afro-brasileiro e a herança da

escravidão. Estudos Avançados, v. 18, n. 50, 2004, p.242-250. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/ea/a/s3SLN54h79fqBfHXDkbDMdv/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em 02 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000100021

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução de Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

BARBOSA, Jefferson. Um monumento levantado. Revista Quarto Cinco Um, 2021. Disponível em: <https://www.quatrocincoum.com.br/br/resenhas/historia/um-monumento-levantado>. Acesso em 02 jul. 2022.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes e AMADO, Janaína. (orgs.). Usos e abusos da história oral. 8 ed. – Rio de Janeiro: FGV, 2006, pp. 183-191.

COSTA, Erika Villeroy. A dança negra de Mercedes Baptista – Corporeidades afro-diaspóricas em diálogo. Anais do 2º Encontro Internacional de- História e Parcerias, 2019. Disponível em: <https://www.historiaeparcerias2019.rj.anpuh.org/resources/anais/11/hep2019/1563126409_ARQUIVO_4c977e804cf0a59863e14ba6455efb28.pdf>. Acesso em 05 jul. 2022.

DOSSE, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. 2 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

FERNANDES, Silvia. Experiências do real no teatro. Sala Preta, v.13, n.2, p. 3-13, DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2238-3867.v13i2p3-13

Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/69072 >>.

Acesso em 02 jul. 2022.

GOMES, Flávio dos Santos; LAURIANO, Jaime; SCHWARCZ, Lilia Moritz.

Enciclopédia negra. 1 ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

HOLMES, Richard. Seguindo viagem: um biógrafo romântico na trilha de Stevenson, Wollstonecraft, Shelley e Nerval. Rio de Janeiro: Globo, 1991.

MAGALHÃES, Yuri. A dramaturgia a partir de rastros da história. Anais ABRACE, v.19, n.1, 2018. Disponível em <https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/abrace/article/view/3772 >. Acesso em 03 jul.2022.

MARTINS, Leda Maria. A oralitura da memória. In: FONSECA, Maria Nazareth Soares. Brasil afro-brasileiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MIRANDA, Sol. Mercedes. In: LIMA, Eugênio; LUDEMIR, Julio (org.). Dramaturgia negra. Rio de Janeiro: Funarte, 2018, p.389-426.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva, 2005.

PRADO, Décio de Almeida. História Concisa do Teatro Brasileiro (1570-1908). São Paulo: Edusp, 1999.

SANTANA, Gean Paulo. Tradição e resistência ao ritmo do tambor: tessituras quilombola e afro-colombiana, um diálogo possível. Revista Espaço Acadêmico, n.226, 2021. Disponível em < https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/53935/751375151405 >. Acesso em 06 jul.2022.

SARRAZAC, Jean-Pierre. Poética do drama moderno. Trad. Newton Cunha, J. Guinsburg e Sonia Azevedo. São Paulo, Perspectiva, 2017.

SCHWOB, Marcel. A cruzada das crianças e Vidas Imaginárias. Tradução de Dorothée de Bruchard. Introdução de Marcelo Jacques de Moraes – São Paulo: Hedra, 2011.

VASCONCELOS, Ana Isabel de. O tratamento da História no drama romântico português. Limite. Revista De Estudios Portugueses y de la Lusofonia, n.2, p.79-95, 2018. Disponível em <https://publicaciones.unex.es/index.php/limite/article/view/1394 >. Acesso em 06 jul.2022.

WHITE, Hayden. O texto histórico como artefato literário. In: WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. Trad. Alípio Correia de Franca Neto. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994, p. 97-116.

Downloads

Publicado

22/06/2023

Edição

Seção

Dossiê Temático - Literatura, Gênero e Raça

Como Citar

FORMAS DA BIOGRAFIA EM DRAMATURGIAS NEGRAS CONTEMPORÂNEAS: UMA LEITURA DE MERCEDES, DE SOL MIRANDA. (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(43). https://doi.org/10.30681/rln.v16i43.10752

Artigos Semelhantes

1-10 de 67

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.