"O MIGRANTE NÃO SABE NADA, É UM IDIOTA PARA MUITOS”: DISCUTINDO COLONIALIDADE E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS NO ENSINO DE PORTUGUÊS PARA MIGRANTES HAITIANOS

Autores

  • Ana Paula Simões Pessoa UFSC

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i45.10937

Palavras-chave:

Migração haitiana, Política Linguística, Política do Cuidado

Resumo

Desde 2020, o mundo tem enfrentado uma das maiores crises sanitárias e socioeconômicas da história, a pandemia de COVID-19. No período em que o distanciamento social foi necessário para conter o avanço do vírus, a ONG Byenvini decidiu desenvolver ações de assistência linguística à população haitiana recém-chegada ao Brasil e repensar o que se entende por ensino de língua portuguesa. Nesse cenário, o presente trabalho foi desenvolvido a partir de um recorte de um estudo etnográfico e suscitou questionamentos sobre a experiência de migrantes haitianos no Brasil no que tange aos processos de ensino e aprendizagem de língua no período da pandemia. Objetivo de analisar, a partir de uma perspectiva decolonial, a noção de língua como defesa que orienta políticas linguísticas nos processos das aulas de língua portuguesa conduzidas por um professor haitiano no Brasil.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

ALMEIDA, Cristóvão Domingos; SANT’ANA, Vitória Ayala. Violência Contra Haitianos e a Repercussão na Mídia Brasileira. Intercom–Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, Caxias do Sul, RS, 2017.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramon (Orgs.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistêmica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores. 2007

CAVALCANTI, M. Estudos Sobre Educação Bilíngue e Escolarização em

Contextos de Minorias Linguísticas no Brasil. DELTA, vol.15, no.spe, 1999, p. 385-417 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-44501999000300015

CAVALCANTI, Marilda C. O pós-ápice da migração haitiana no país em notícia recortada em portal de notícias: algumas notas sobre escolhas epistemológicas. DELTA: Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 35, n. 1, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1678-460x2019350101

COGO, Denise; SILVA, Terezinha. Mídia, alteridade e cidadania da imigração haitiana no Brasil. Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, pp. 1-16, 2015.

ERICKSON, Frederick. Qualitative Methods. IN: LINN, Robert; ERICKSON, Frederick. Quantitative Methods/ Qualitative: A Project of the American Education Research Association. Research in Teaching and Learning, v. 2. Londres; Nova Iorque: Macmillan Publishing Company, 1990.

FARACO, C. A. História do português. Editores científicos Tommaso Raso, Celso Ferrarezi Jr. 1. Ed. São Paulo: Parábola, 2019.

FLORES, Nelson; ROSA, Jonathan. Undoing appropriateness: Raciolinguistic ideologies and language diversity in education. Harvard Educational Review, v. 85, n. 2, pp. 149-171, 2015. DOI: https://doi.org/10.17763/0017-8055.85.2.149

GARCEZ, P., SCHULZ L. Olhares circunstanciados: etnografia da linguagem e pesquisa em Linguística Aplicada no Brasil - D.E.L.T.A., 31-especial, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-445093806057590158

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, pp. 25-49, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003

INOUE, Miyako, Vicarious Language: Gender and Linguistic Modernity in Japan. Berkeley: University of California Press, 2006.

LABOV, William, "Academic Ignorance and Black Intelligence," The Atlantic, June, 1972. Disponível em: https://www.theatlantic.com/past/docs/issues/95sep/ets/labo.htm. Acesso em 19 de dez. 2022

HOOK, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla - 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2017.

KROSKRITY. P. V. Language Ideologies. In: DURANTI, A. (org.) A Companion to Linguistic Anthropology. Oxford: Blackwell, 2004. DOI: https://doi.org/10.1002/9780470996522.ch22

KISSLER, Stephen M. et al. Projecting the transmission dynamics of SARS-CoV-2 through the postpandemic period. Science, v. 368, n. 6493, pp. 860-868, 2020. DOI: https://doi.org/10.1126/science.abb5793

McCARTY, T. (Orgs.) Ethnography and language policy. New York, London: Taylor & Francis Group, 2011.

MIGNOLO. Walter. Local Histories/Global Designs: Coloniality, Subaltern Knowledges and Border Thinking. Princeton: Princeton University Press. 1999

MOITA LOPES, L. P.; FABRÍCIO, B. F. Por uma “proximidade crítica” nos estudos em Linguística Aplicada. Calidoscópio, v. 17, n. 4, pp. 711-723, 2019. DOI: https://doi.org/10.4013/cld.2019.174.03

NASCIMENTO, G. Racismo Linguístico: os subterrâneos da linguagem e do racismo. Belo Horizonte: Editora Letramento, 2019.

QUIJANO, Aníbal. Textos de Fundación. Palermo, Zulma y Quinteros, Pablo (comps.). Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2014.

SOUZA, Cíntia de Santana. Resistência, justiça ambiental e política pública: urbanização de áreas de vulnerabilidade socioambiental consolidads em Curitiba, PR-Vila Torres e Vila Parolin (1820-2014). Dissertação (Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento). Universidade Federal do Paraná. 209 p., 2016.

Downloads

Publicado

30/09/2023

Como Citar

"O MIGRANTE NÃO SABE NADA, É UM IDIOTA PARA MUITOS”: DISCUTINDO COLONIALIDADE E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS NO ENSINO DE PORTUGUÊS PARA MIGRANTES HAITIANOS . (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(45). https://doi.org/10.30681/rln.v16i45.10937

Artigos Semelhantes

1-10 de 199

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.