ENTRE OLHOS D’ÁGUA E INSUBMISSAS LÁGRIMAS: MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES FEMININAS NA LITERATURA NEGRO-BRASILEIRA DE CONCEIÇÃO EVARISTO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i44.11123

Palavras-chave:

literatura negro-brasileira, representações literárias, escrevivências, Conceição Evaristo

Resumo

Objetiva-se, com este artigo, ressaltar múltiplas representações femininas na literatura negro-brasileira de Conceição Evaristo. Para isso, analisam-se quatro contos de duas obras – Olhos d’agua (2014) e Insubmissas Lágrimas de Mulheres (2011). A partir das personagens Luamanda, Cida, Shirley Paixão e Maria do Rosário Imaculada dos Santos, observa-se a versatilidade nas representações de mulheres negras em uma perspectiva de dentro. Notam-se inovadoras contribuições da escrevivência evaristiana, visto que, em seu projeto literário, propicia representações que, longe de serem exóticas ou superficiais vistas na literatura hegemônica baseada em ideais de colonialidade, humanizam esse grupo a partir de sua própria diversidade. 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Talita Rosetti Souza Mendes, PUC-Rio

    Professora-Pesquisadora na EPSJV - Fiocruz. Doutora e Mestre em Estudos de Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio - 2013 e 2022 respectivamente). Pós-graduada em Língua Portuguesa pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Faculdade de Formação de Professores (UERJ-FFP 2012). Pós-graduanda em Docência com Ênfase em Educação Inclusiva pelo Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Arcos (2023 - ). Graduada em Letras Português - Literaturas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Faculdade de Formação de Professores (UERJ 2009). Membro do grupo de pesquisa Linguagem, Cultura e Trabalho, da PUC-Rio, sob coordenação da professora Maria das Graças Dias Pereira. Desenvolve pesquisas nas áreas da linguística aplicada, da análise da narrativa, da sociolinguística interacional, da dislexia. Interesses de pesquisa: articulação entre discurso, práticas e construção de identidades na educação, em interface com a dislexia e com a inclusão em contextos da família e da escola. Fundadora do Projeto Social Dislexia Itinerante. Uma das 22 finalistas para a premiação pesquisa de excelência da Abralin - 50 anos, em 2019.

  • Karine Aragão dos Santos Freitas, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

    Doutora em Letras / Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio (2017) e Mestre Estudos de Literatura pela Universidade Federal Fluminense (2012). Possui graduação em Letras também por essa instituição (2009). Professora Substituta de Literatura Brasileira da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Os interesses de pesquisa debruçam-se, principalmente, sobre as relações entre: decolonialidade e corpo feminino; estética e política; e as possíveis (re)construções de novas epistemologias sociais/acadêmicas, com base nos caminhos da decolonialidade.

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ALVES, Miriam. Brasil Afro autorrevelado: literatura brasileira contemporânea. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

AMORIM, M. A. de et al. Literatura na escola. São Paulo: Contexto, 2022.

BENTO, Maria Aparecida da Silva. Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público". São Paulo, 2002. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo.

BERNAN, Zila. Introdução à literatura negra. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BLAY, E. A.; CONCEIÇÃO, R. R. da. A mulher como tema nas disciplinas da USP. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 76, p. 50–56, 1991. Disponível em: https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/1054. Acesso em: 16 jul. 2023.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Vida precária. Contemporânea. Dossiê Diferenças e (Des)igualdades. n.1, p.13-33, 2011.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. São Paulo, 2005. Tese (Doutorado em Filosofia da Educação) – Universidade de São Paulo.

CÔRTES, Cristiane; PEREIRA, Maria do Rosário A. (Orgs). Escrevivências: Identidade, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Ideia. 2016.

CUTI, Luiz Silva. O leitor e o texto afro-brasileiro. In: FIGUEIREDO, Maria do Carmo Lanna; SOARES, Maria Nazareth (Orgs.). Poéticas afro-brasileiras. Belo Horizonte: Mazza, 2012.

DALCASTAGNÈ, Regina. Uma voz ao sol: representação e legitimidade na narrativa brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, v. 20, p. 33-77, 2002. Disponível em: http://seer.bce.unb.br/index.php/estudos/article/viewFile/2214/1773 Acesso: abril de 2023.

DALCASTAGNÈ, Regina. Imagens da mulher na narrativa brasileira. O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, v. 15, p. 127-135, dez. 2007. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/3267. Acesso: abril de 2023. DOI: https://doi.org/10.17851/2358-9787.15.0.127-135

DALCASTAGNÈ, Regina. Site do Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea. A construção do feminino no romance brasileiro contemporâneo”. Disponível em: http://gelbcunb.blogspot.com/2015/07/a-construcao-do-feminino-no-romance.html Acesso em: 16 jul 2023

DALCASTAGNÈ, Regina. Ausências e estereótipos no romance brasileiro das últimas décadas: Alterações e continuidades. Letras de Hoje, v. 56, n. 1, p. 40429, 2021. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/40429. Acesso: abril de 2023. DOI: https://doi.org/10.15448/1984-7726.2021.1.40429

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura Afro-Brasileira. Terceira Margem, Rio de Janeiro, Número 23, julho/dezembro, 2010.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

EVARISTO, Conceição. Insubmissas lágrimas de mulheres. Belo Horizonte: Nandyala, 2011.

EVARISTO, Conceição. Olhos d'água. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2016.

EVARISTO, Conceição. Vozes-Mulheres. Poemas de recordação e outros movimentos. Belo Horizonte: Nadyala, 2021.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas [1952]. Título original: “Peau noire, masques blancs”. Salvador: EDUFBA, 2008.

FONSECA, Maria Nazareth Soares; SOUZA, Florentina da Silva (Orgs.) Literatura Afro-brasileira. Salvador: CEAO, 2006.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A vontade de saber. 22°Ed. Rio de Janeiro: Graal, 2012.

GOMES, Joceline. O Brasil é racista e eu posso provar. Favela Potente, 2018. Disponível em: https://favelapotente.wordpress.com/2018/11/07/o-brasil-e-racista-e-posso-provar/ Acesso: abril de 2023.

INSTITUTO MARIELLE FRANCO. Violência Política de Gênero e de Raça no Brasil 2021. Fabiana Pinto (org.). Disponível em: https://www.violenciapolitica.org/ Acesso: abril de 2023.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. Trad. Suzana Funck. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LORDE, Audre. Use of the Erotic: The Erotic as Power. In: ____________. Sister outsider: essays andspeeches. New York: The Crossing Press Feminist Series, 1984.

LUGONES, Maria de. Colonialidade e gênero. Tabula Rsa. Bogotá. nº 9: 73-101, jul-dez, 2008. DOI: https://doi.org/10.25058/20112742.340

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Berlim: Editora Cobogó, 2008.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção e política da morte. São Paulo: n-1 edições, 2018.

PEREIRA, A. C. F.; FAVARO, N. de A. L. G.; SEMZEZEM, P. . Mulher, escolarização e tendências em curso. Germinal: marxismo e educação em debate, v. 13, n. 3, p. 306–323, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/46118 Acesso: abril de 2023. DOI: https://doi.org/10.9771/gmed.v13i3.46118

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América. Buenos Aires. Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales Editorial/Editor, 2005.

RIBEIRO, Maria Luiza Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. 18. ed. Revista de Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

SANTOS, Gislene Aparecida dos. Mulher negra, Homem branco. Rio de Janeiro. Pallas, 2004.

SANTOS, Miriam Cristina dos. Intelectuais Negras: Prosa negro-brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Editora Malê, 2018.

SCHWARCZ, Lilia. Moritz; STARLING, Murgel Heloísa Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SCHWARCZ, Lilia. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

Downloads

Publicado

21/08/2023

Edição

Seção

Dossiê Temático 2023/1 "As escrevivências de Conceição Evaristo: as mulheres negras no centro das narrativas"

Como Citar

ENTRE OLHOS D’ÁGUA E INSUBMISSAS LÁGRIMAS: MÚLTIPLAS REPRESENTAÇÕES FEMININAS NA LITERATURA NEGRO-BRASILEIRA DE CONCEIÇÃO EVARISTO. (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(44). https://doi.org/10.30681/rln.v16i44.11123

Artigos Semelhantes

1-10 de 273

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.