A MATERNIDADE E A MATERNAGEM EM “QUANTOS FILHOS NATALINA TEVE?” E “OLHOS D'ÁGUA” DE CONCEIÇÃO EVARISTO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i44.11129

Palavras-chave:

Maternidade, ancestralidade, Violência, escrevivências

Resumo

O cerne deste artigo é problematizar os papéis sociais das mulheres negras a partir dos contos “Quantos filhos Natalina teve?” e “Olhos d’água” de Conceição Evaristo (2016). Temas transversais como a desconstrução dos estereótipos da maternidade, assim como a ancestralidade africana e as memórias que compõem o presente texto. Para tal imbricação teórica foram escolhidos o dispositivo analítico das escrevivências para oportunizar o protagonismo das mulheres negras e a importância da literatura negra feminina como estratégia de denúncia ao sistema vigente, assim como as contribuições de Vasconcelos (2014); Davis (2016); Ribeiro (2018); Hooks (2018; 2019).

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Alessandra Corrêa de Souza, Universidade Federal de Sergipe - UFS

    Professora Doutora em Literaturas Neolatinas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente, professora de Literaturas Hispânicas no Departamento de Línguas Estrangeiras, professora de Literaturas Afro-latino-americanas no Programa de Pós-Graduação em Letras, como também no Programa de Mestrado Profissional em Letras da Universidade Federal de Sergipe.

  • Lara Beatriz Aragão da Rocha, Programa de Pós- Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe

    Graduada em Letras Português e Espanhol pela Universidade Federal de Sergipe (UFS); Especialista em Literatura Africana, Indígena e Latina pela UniBF; Mestranda em Literatura Comparada no PPGL-UFS. Bolsista Capes.

  • Evelyn Ralyne Freire Fonseca, Programa de Pós- Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe

    Graduada em Letras Vernáculas pela Universidade Federal de Sergipe; Mestranda em Literatura Comparada no PPGL-UFS. Bolsista Capes.

Referências

ASSIS DUARTE, Eduardo. Por um conceito de literatura afro-brasileira. Dados colhidos no Portal da Literatura Afro-brasileira. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/artigos/artigos-teorico-conceituais/148-eduardo-de-assis-duarte-por-um-conceito-de-literatura-afro-brasileira.

BERND, Zilá. Negritude e literatura na América Latina. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

BRASIL. Decreto-Lei N.º 2.848, de 7 de Dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez. 1940. Disponível em http://www.amperj.org.br/store/legislação/codigos/cp_DL2848.pdf. Acesso em 25 de abril de 2023.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DALCASTAGNÈ, Regina. Entre silêncios e estereótipos: relações raciais na literatura brasileira contemporânea. Estudos de literatura brasileira contemporânea, v. 31, p. 87-110, 2008.

DIAS, Luciana de Oliveira. Reflexos no Abebé de Oxum: por uma narrativa mítica insubmissa e uma pedagogia transgressora. Articulando e construindo saberes, v.5, 2020. DOI: https://doi.org/10.5216/racs.v5i.63860

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Belo Horizonte: Mazza, 2006.

EVARISTO, Conceição. Da representação à auto-representação da mulher negra na literatura brasileira. Revista Palmares: Cultura Afro-brasileira. Ano I – número 1 – agosto 2005.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2016.

EVARISTO, Conceição. Mulheres no Mundo – Etnia, Marginalidade e Diáspora, Nadilza Martins de Barros Moreira & Liane Schneider (orgs), João Pessoa, UFPB, Idéia/Editora Universitária, 2005.

EVARISTO, Conceição.. Evaristo por Conceição Evaristo. In: Colóquio de Escritoras Mineiras, 2009, Belo Horizonte. Disponível em: <http://nossaescrevivencia.blogspot.com/2012/08/conceicao-evaristo-por-conceicao.html>. Acesso em: 25/04/2023.

EVARISTO, Conceição. Entrevista concedida a Bárbara Araújo Machado em 30 set. 2010, Rio de Janeiro.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética da nossa afro-brasilidade. Scripta, Belo Horizonte,v.13,n.25,p.17-31, 2o.sem.2009.

FINER, Lawrence B; HENSHAW, Stanley K. Disparities in rates of unintended pregnancy in the United States, 1994 and 2001. Perspectives on Sexual and Reproductive Health, v. 38, n. 2, 2006, p. 90–96. DOI: https://doi.org/10.1363/3809006

hooks, bell. Não serei eu mulher?As mulheres negras e o feminismo. Tradução de Nuno Quintas. Lisboa: Orfeu Negro, 2018.

hooks, bell. Teoria feminista: da margem ao centro. Tradução de Rainer Patriota. São Paulo: Perspectiva, 2019.

hooks, bell. Vivendo de amor. 1994. Disponível em:

<http://www.olibat.com.br/documentos/Vivendo%20de%20Amor%20Bell%20Hooks.pdf>. Acesso em: 26/04/2023.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. Edição Popular, 1963.

MARTINS, Alaerte Leandro. Mortalidade materna de mulheres negras no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 22, n. 11, 2006, p. 2473–2479. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006001100022

MACHADO, B. A. “Recordar é preciso”: Conceição Evaristo e a intelectualidade negra no contexto do movimento negro brasileiro contemporâneo (1982 – 2008). Dissertação (Mestrado em História) – UFF. Niterói, 130 p. 2014.

NASCIMENTO, Luciene. Tudo nela é de se amar. 1. ed. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2021.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

RONCADOR, Sonia. “O mito da mãe preta no imaginário literário de raça e mestiçagem cultural”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, nº. 31. Brasília, janeiro-junho de 2008, pp. 129-152.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SAID, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SANTOS, Osmara Alves dos; ROSA, Patricia Lima Ferreira Santa; BORGES, Ana Luiza Vilela. Determinantes do planejamento da gravidez segundo a raça/cor em São Paulo, Brasil. Revista da ABPN, v. 7, n. mar./ju 2015, p. 74-88, 2015.

SCAVONE, Lucila. A maternidade feminismo: diálogo com as Ciências Sociais. Cadernos Pagu (16), pp.137-150. 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-83332001000100008

SEVERI, Fabiana Cristina et al. Aborto no Brasil: falhas substantivas e processuais na criminalização de mulheres. [S. l.]: Clooney Foundation for Justice Initiative.Disponívelem:https://cfj.org/report/aborto-no-brasil-falhas-substantivas-e-processuais-na-criminalizacao-de-mulheres/. Acesso em: 25 abr. 2023., 2022.

SOUZA, Ana Lúcia Silva et al. De olho na cultura: pontos de vista afro-brasileiro. Salvador: Centro de Estudos Afro-orientais; Brasília: fundação Cultural Palmares, 2005.

VASCONCELOS, Vania Maria Ferreira. No colo das Iabás: raça e gênero em escritoras afro-brasileiras contemporâneas. 2014. 228 f. Tese (Doutorado em Literatura e Práticas Sociais). Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

Downloads

Publicado

21/08/2023

Edição

Seção

Dossiê Temático 2023/1 "As escrevivências de Conceição Evaristo: as mulheres negras no centro das narrativas"

Como Citar

A MATERNIDADE E A MATERNAGEM EM “QUANTOS FILHOS NATALINA TEVE?” E “OLHOS D’ÁGUA” DE CONCEIÇÃO EVARISTO. (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(44). https://doi.org/10.30681/rln.v16i44.11129

Artigos Semelhantes

1-10 de 32

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.