A FORMAÇÃO DO TRADUTOR-INTERPRETE DO NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO(NAI) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE(UFAC) EM PERSPECTIVA E QUESTÕES IDENTITARIAS

Autores

  • Shelton Lima de Souza Universidade Federal do Acre
  • Sônia Maria da Costa França Universidade Federal do Acre

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i45.11595

Palavras-chave:

Tradutor-intérprete/NAI/UFAC, identidades, formação profissional

Resumo

Neste artigo, analisamos a formação identitário-profissional dos tradutores-intérpretes de Libras/Português(TISLP) do Núcleo de Apoio à Inclusão da Universidade Federal do Acre (NAI/UFAC), local esse em que se encontramos Tradutores-Intérpretes de Línguas de Sinais e Português/Tilsps que atendem às demandas do ensino, da pesquisa e da extensão vinculadas a essa instituição. Nessa olhar, por meio de uma visão linguístico-identitária (HALL, 2006), discuto os meandros sócio-linguístico-identitários de organização da profissão na cidade de Rio Branco/AC, mais particularmente no NAI/UFAC, verificando como um grupo de profissionais Tilsps, vinculados a esse espaço de discussão de inclusão na universidade,  se veem enquanto tradutores-intérpretes de uma língua que tem a modalidade visuoespacial em contexto universitário, tendo em vista que os interagentes da pesquisa-base deste texto não têm formação em Bacharelado/tradução-Interpretação de Línguas de Sinais/Português. No tocante a questões metodológicas, a pesquisa-base deste estudo se centrou em uma abordagem qualitativa com a análise de falas produzidas por meio de diálogos advindos de procedimentos de entrevistas. Os resultados da análise mostram que os Tilsps do NAI/UFAC apresentam em sua constituição profissional várias identidades, construídas em diferentes sociabilidades que são atravessadas por grupos sociais diversos, devido aos Tilsps em questão terem relações com profissionais de diferentes áreas do conhecimento nas quais as práticas tradutória-interpretativas estão imersas, além disso, os Tilsps mencionados demonstram desenvolver uma forte conexão profissional e pessoal com os usuários de línguas de sinais com os quais têm contato que, de alguma forma, os auxiliam em suas atividades nos contextos de produção do trabalho.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Shelton Lima de Souza, Universidade Federal do Acre

    Doutor em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ, mestrado em Linguística/Gramática pela Universidade de Brasília/UnB. Docente do Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagem e Identidade/PPGLI.

  • Sônia Maria da Costa França, Universidade Federal do Acre

    Mestra em Letras: Linguagem e Identidade no Programa de Pós-graduação em Letras: Linguagem e Identidade/PPGLI/UFAC

    Tradutora e Intérprete de Línguas de Sinais e Português no Núcleo de Atendimento ao Deficiente/NAI/UFAC.

Referências

BAUMAN, Zigmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BHABHA, Homi Kharshedji. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

GESSER, Audrei. Interpretar ensinando e ensinar interpretando: posições assumidas no ato interpretativo em contexto de inclusão para surdos. Cad. Trad., Florianópolis, v. 35, no especial 2, p. 534-556, jul-dez, 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p534

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 11.ed. Rio de Janeiro: DP& A, 2006.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. Intérprete de Libras em atuação na Educação Infantil e no Ensino Fundamental. Porto Alegre: Mediação, 2009.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Traição versus transgressão: reflexões acerca da tradução e pós-modernidade. Alfa, São Paulo, 44(n.esp): 123-130, 2000.Revista Brasileira de Educação v. 22 n. 71 e227165 2017 Andreia Chagas Rocha Toffolo, Elidéa Lúcia Almeida Bernardino, Douglas de Araújo Vilhena et al. Os benefícios da oralização e da leitura labial no desempenho de leitura de surdos profundos usuários da Libras Disponívelem:https://www.scielo.br/j/rbedu/a/pQsrq4swznPfhm9djvsPXkc/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 15 de dezembro de 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782017227165

RODRIGUES, Carlos. Henrique. Translation and Signed Language: highlighting the visual-gestural modality. Cadernos de Tradução, v. 38, p. 294-319, 2018a. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n2p294

SOUZA, Luís Carlos da Silva. A construção do ethos dos tradutores e intérpretes de língua brasileira de sinais e português: concepções sobre a profissão. Curitiba: Editora CRV, 2017. DOI: https://doi.org/10.24824/978854442086.7

STROBEL, Karen. A visão histórica in(ex)clusão dos surdos nas escolas. Educação Temática Digital, Campinas, v.7, n.2, p. 245-254, jun. 2006. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v7i2.806

Downloads

Publicado

30/09/2023

Como Citar

A FORMAÇÃO DO TRADUTOR-INTERPRETE DO NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO(NAI) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE(UFAC) EM PERSPECTIVA E QUESTÕES IDENTITARIAS. (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(45). https://doi.org/10.30681/rln.v16i45.11595

Artigos Semelhantes

1-10 de 166

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.