A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA CULTA DO DIREITO E A DIFICULDADE NO ACESSO À INFORMAÇÃO E RESTRIÇÃO AOS DIREITOS

Autores

  • Neusa Inês Philippsen Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Isabela Alves de Oliveira Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i45.11780

Palavras-chave:

linguagem, Direito, variação, Sociolinguística Variacionista

Resumo

A pesquisa aborda sobre a variação culta utilizada no Direito e o impacto no acesso à informação, que historicamente, no Brasil, foi limitado a uma minoria privilegiada. Todavia, com o avanço da tecnologia e o surgimento de diversos meios de comunicação, o acesso à informação tornou-se mais amplo, trazendo impactos significativos para a sociedade. Nesse contexto, a pesquisa, baseada na Sociolinguística Variacionista, discute não apenas a flexibilização da linguagem no Direito, mas também como a variação linguística influencia no acesso e compreensão das informações jurídicas, buscando minimizar a distância entre os grupos sociais. Para fundamentaro estudo, foram considerados autores importantes sobre a língua e a sua variação (BORTONIRICARDO, 2014; BAGNO, 2008; ALKMIM, 2001), assim como sobre a relação entre o Direito e a Linguagem (COLARES, 2017; GADAMER, 1999). Essa conexão entre as duas áreas se manifesta em aspectos da linguagem como objeto de comunicação e interpretação das normas jurídicas. A pesquisa pretende ser um instrumento de questionamento e mudança social, pois compreender como as pessoas interpretam determinados assuntos está diretamente ligado às suas vivências e experiências. Nesse contexto, cabe salientar o estudo de preconceitos linguísticos, que estão arraigados na sociedade e limitam a evolução da língua como instrumento de comunicação entre os seus usuários e, consequentemente, aos seus direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neusa Inês Philippsen, Universidade do Estado de Mato Grosso

Pós-doutorado pela Universidade de São Paulo - USP (2018) e pós-doutorado pela Universität Augsburg - Alemanha (2022). Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo (USP). Professora de Língua Portuguesa e Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT/Curso de Letras) – Campus Universitário de Sinop.

Isabela Alves de Oliveira, Universidade do Estado de Mato Grosso

Graduanda em Licenciatura em Letras pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) e Direito (UNIFASIPE). Bolsista de Pesquisa em Iniciação Científica pela FAPEMAT. Membro do GEPLIAS (Grupo de Estudos e pesquisas em Linguística Aplicada e Sociolinguística). Editora da Revista Norte@mentos da UNEMAT/Sinop

Referências

ALKMIM, T. M. Sociolinguística. In: MUSSALIM, F. & BENTES, A.C. (orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. vol.1. São Paulo: Cortez, 2001.

BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico: o que é, como se faz. 5 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Manual de Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemu na escola, e agora?. São Paulo: Parábola, 2005.

BORTONI-RICARDO, S. M. Problemas de comunicação interdialetal. IN: LEMLE, Mirian (org.) Sociolinguística e ensino do vernáculo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituição.htm. Acesso em: 1 mai. 2022.

BRIGHT, W. As dimensões da sociolinguística. Sociolinguística. Rio de Janeiro: Eldorado, 1974.

COLARES, Virginia - Linguagem e Direito – caminhos para a linguística forense”.Cortez Editora; 1ª edição. São Paulo, 2017.

GADAMER, Hans-Georg. “Verdade e Método - Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica”. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 3° Edição. Petrópolis, 1999.

GUIMARÃES, Luciana Helena Palermo de Almeida. A simplificação da linguagem jurídica como instrumento fundamental de acesso à justiça. Publ. UEPG Ci. Hum., Ci. Soc. Apl., Ling., Letras e Artes, Ponta Grossa, 20 (2): 173-184, jul./dez. 2012.

G1 GLOBO. 28 milhões de pessoas no Brasil não usaram internet em 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2022/09/16/em-2021-28-milhoes-depessoas-no-brasil-nao-usaram-a-internet-diz-ibge.ghtml. Acesso em 14 maio 2023.

GUMPERZ, J. J. Language and social identity: Studies in interational sociolinguistic. Cambridge. University Press. New York, 1988.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisao; traduçao de Raquel Ramalhete. Petropolis, Vozes, 20° Ediçao, 1987.

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESPÍRITO SANTO. Glossário De Termos Jurídicos. Disponível em: https://www.mpf.mp.br/es/sala-de-imprensa/glossario-determos-juridicos#E. Acesso em 28 maio 2023.

SCHLEIERMACHER. F.D.E. Hermenêutica: Arte e técnica da interpretação. Tradução de Celso Reni Braida. Petrópolis, 2017.

Downloads

Publicado

30/09/2023

Como Citar

Philippsen, N. I., & Alves de Oliveira, I. (2023). A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA CULTA DO DIREITO E A DIFICULDADE NO ACESSO À INFORMAÇÃO E RESTRIÇÃO AOS DIREITOS. Revista De Letras Norte@mentos, 16(45). https://doi.org/10.30681/rln.v16i45.11780