RAÇA, CLASSE E GÊNERO NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE:

PERCURSOS E POSSIBILIDADES FORMATIVAS NA EXTENSÃO COMO COMUNICAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/recs.v13i1.11702

Palavras-chave:

Ensino de Ciências, educação CTS, educação e justiça social, pesquisa participante, formação de professores.

Resumo

Tanto a extensão universitária quanto a educação em ciência, tecnologia e sociedade (CTS) no Brasil possuem discussões a partir do referencial teórico de Paulo Freire, o que nos faz refletir sobre as potencialidades destas teorias nas discussões sobre temáticas importantes para o ensino de ciências voltado para a justiça social e para o enfrentamento dos problemas educacionais mais próprios do atual contexto político e social do país. Assim, propomos uma pesquisa-ação que buscou compreender as contribuições e as limitações de situações de ensino com as temáticas de raça, classe e gênero no ensino de ciências, de acordo com a educação CTS, a partir de uma atividade de extensão universitária. Em termos da educação CTS, a temática possibilitou uma aproximação importante da ciência e da tecnologia com os impactos da falta da participação social nestas questões, que têm levado a consequências drásticas, de desrespeito à vida, de crises sanitárias e, principalmente, num passado recente, ao agravamento da pandemia de COVID-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nataly Carvalho Lopes, Universidade Federal de São Carlos

Professora adjunta no Departamento de Ciências da Natureza, Matemática e Educação - DCNME da Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências Agrárias, campus Araras. Atua principalmente nos cursos de licenciatura em Física, Química e Biologia, além do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática desta instituição. Possui doutorado em educação para as ciências pelo programa de pós-graduação em educação para as ciências da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista, campus de Bauru, instituição pela qual também defendeu sua dissertação de mestrado na mesma área. É graduada em licenciatura em física, pela Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, FEIS-unesp (2007).

Referências

ARROYO, M.G. Os coletivos diversos repolitizam a formação. In: DINIZ-PEREIRA, J.E.; LEÃO, G. (ORGS.) Quando a diversidade interroga a formação docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BAMBIRRA, V. La mujer chilena en la transicion al socialismo. Punto Final. Santiago, 1971.

BAMBIRRA, V. O capitalismo dependente latino-americano. 4 ed. Florianópolis: Editora Insular, 2019.

CARDOSO, B. B; VIEIRA, F. M. dos. S. B; SARACENI, V. Aborto no Brasil: o que dizem os dados oficiais? Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n. 1, 2020.

.

CARR, W.; KEMMIS, S. Becoming critical: Becoming critical knowing through action research. Londres: Falmer Press, 1986.

CARVALHO, T. R.; LOPES, N. C.. Raças Humanas como uma Questão Sociocientífica (QSC): implicações na formação de professores de ciências. Ciência & Educação (Bauru) [online]. 2021, v. 27 [Acessado 8 Novembro 2022], e 21030. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1516-731320210030>. Acesso em: 30 Jul. 2021.

CHANTER, K.; BURNS, D. Metodologias feministas. In: SOMEKH, B.; LEWIN, C. (Orgs.) Teoria e Métodos de Pesquisa Social. Petrópolis: Editora Vozes, 2015.

DELIZOICOV, D. Resultados da pesquisa em Ensino de Ciências: comunicação ou extensão? Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 22, n. 3, p. 364-378, 2005.

DINIZ-PEREIRA, J.E. Modelos críticos de formação docente: a experiência do MST. In: DINIZ-PEREIRA, J.E.; ZEICHNER, K.M. (ORGS.) Justiça social: desafios para a formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

FRASER, N.; JAEGGI, R. Capitalismo em debate: uma conversa na teoria crítica; Tradução: Nathalie Bressiani - 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira, prefácio de Jacques Chonchol. 7ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

GONZALEZ, L. Por um Feminismo Afro-Latino-Americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio Janeiro: Zahar, 2020.

HODSON, D. Realçando o papel da ética e da política na educação científica: algumas considerações teóricas e práticas sobre questões sociocientíficas. In: CONRADO, D.M.; NUNES-NETO, N. (ORGS.) Questões sociocientíficas: fundamentos, propostas de ensino e perspectivas para ações sociopolíticas. Salvador: Edufba, 2018.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a Educação como prática de liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla - São Paulo, 2013.

SOCIOCIENTÍFICAS NOS CURRÍCULOS BRASILEIROS. Revista Educação, Cultura e Sociedade, Sinop/MT/Brasil, v. 9, n. 1, p. 94-109, jan./jun. 2019.

MACEDO, J.C.P.; LOPES, N.C. Gênero no ensino de ciências: a inserção das questões sociocientíficas nos currículos brasileiros. Revista Educação, Cultura e Sociedade, Sinop/MT/Brasil, v. 9, n. 1, p. 94-109, jan./jun. 2019.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação (Bauru) [online]. v. 9, n. 2, pp. 191-211, 2003. ISSN: 1980-850X. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1516-73132003000200004>. Acesso em: ago. 2022.

OLIVEIRA, M.C.D.; VON LINSINGEN, I. Educação CTS e implicações da ciência e tecnologia na educação: reflexões acerca da educação CTS latino-americana a partir do grupo de pesquisa DiCiTE da UFSC. In: CASSIANI, S.; VON LINSINGEN, I. (Orgs.) Resistir, (Re)existir e (Re)inventar a educação científica e tecnológica. Florianópolis: UFSC/CED/NUP, 2019.

VON LINSINGEN, I.; CASSIANI, S. Educação cts em Perspectiva Discursiva: Contribuições dos Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia. Redes, Buenos Aires, v. 31, n. 16, p. 163-182, dez. 2010. Disponível em: http://www.unq.edu.ar/advf/documentos/58c2f5cac0e04.pdf. Acesso em: 17 nov. 2022.

Downloads

Publicado

28/10/2023

Como Citar

Lopes, N. C. (2023). RAÇA, CLASSE E GÊNERO NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: : PERCURSOS E POSSIBILIDADES FORMATIVAS NA EXTENSÃO COMO COMUNICAÇÃO. Revista Educação, Cultura E Sociedade, 13(1), 38–52. https://doi.org/10.30681/recs.v13i1.11702