REFLEXO CRU (2021), DE MEL DUARTE: A LITERATURA NEGRA BRASILEIRA COMO INSTRUMENTO POSSÍVEL PARA UMA ABORDAGEM PSICOTERAPÊUTICA DECOLONIAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v15i41.10607

Palavras-chave:

Biblioterapia, Psicologia, Literatura, Literatura negra brasileira

Resumo

O presente artigo objetiva fazer uma leitura do conto poético Reflexo cru (2021), de Mel Duarte, a partir de uma referencialidade psicológica, visando a utilização da literatura negra brasileira como instrumento possível para uma abordagem psicoterapêutica que, preferencialmente (mas não só), atenderá pessoas negras. Para tanto, seguimos o seguinte processo de construção reflexivo: primeiro, discutimos brevemente as possíveis relações entre Psicologia e Literatura, a denominada biblioterapia; após, analisamos interdisciplinarmente o conto poético mencionado e, por fim, fizemos reflexões sobre a possibilidade de o texto, bem como a literatura negra brasileira, funcionar como instrumento psicoterapêutico decolonial no atendimento às pessoas negras. Percebendo que, a partir do conto poético é possível trabalhar questões como identidade racial, autoestima, cabelo, envelhecimento, ancestralidade, racismo estrutural, estereótipos, enfim, uma gama de temáticas que atravessam vivências e corpos negros no Brasil.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

ALVES, Maria Helena Hess. A aplicação da biblioterapia no processo de reintegração social. R. bras. Biblioteconon. e Doc., v. 15, n.1/2 p. 54-61, jan./jun. 1982.

BONNICI, Thomas. O Pós-colonialismo e a literatura. 2. ed. Maringá: Eduem, , 2012.

CALDIN, Clarice Fortkamp. A leitura como função terapêutica: biblioterapia. Enc. Bibli: R. Eletr. Biblioteconomia, Florianópolis, Brasil, n.12, p. 32-44, 2001. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2001v6n12p32/5200. Acesso em: 25 abr. 2022.

DUARTE, Mel. Reflexo cru. Edição do Kindle, 2021.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, v. 29, n. 1, p. 167-182, 2003.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz: Corpo e cabelo como símbolo de identidade. In: MBEMBE, Achille. Sair da grande noite: ensaio sobre a África descolonizada. Luanda: Edições Pedago, 2014.

GROSFOGUEL, Rámon. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, 2008, p. 115-147. Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/697. Acesso em: 30 mai. 2022.

OUAKNIN, Marc-Alain. Biblioterapia. Tradução de Nicolás Niymi Campanário. São Paulo: Loyola, 1996.

PEREIRA, Marília Mesquita Guedes. Biblioterapia: proposta de um programa de leitura para portadores de deficiência visual em bibliotecas públicas. João Pessoa: Ed. Universitária, 1996.

SANTOS, Andréa Pereira dos; RAMOS, Rubem Borges Teixeira; SOUSA, Thais Caroline Silva. Biblioterapia: estudo comparativo das práticas biblioterápicas brasileiras e norte- americanas. Reciis – Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde, abr.-jun., 2017. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/19696/2/ve_SANTOS_Andr%C3%A9a%20Pereira_etal_2017.pdf. Acesso em: 20 abr. 2022.

SANTOS, N. M. C. Negras velhas: um estudo sobre seus saberes nas perspectivas negra. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

SEITZ, Eva Maria. Biblioterapia: uma experiência com pacientes internados em clínica médica. 2000. 79 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

SEIXAS, Cristiana. Quintais da biblioterapia. Niterói: Cândido, 2021.

VILLELA, Felipe Stiebler Leite. Psicologia e literatura: a experiência literária na formação do psicólogo. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade de São Paulo, 2015.

Downloads

Publicado

19/12/2022

Como Citar

REFLEXO CRU (2021), DE MEL DUARTE: A LITERATURA NEGRA BRASILEIRA COMO INSTRUMENTO POSSÍVEL PARA UMA ABORDAGEM PSICOTERAPÊUTICA DECOLONIAL. (2022). Revista De Letras Norte@mentos, 15(41). https://doi.org/10.30681/rln.v15i41.10607

Artigos Semelhantes

1-10 de 265

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.