A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA CULTA DO DIREITO E A DIFICULDADE NO ACESSO À INFORMAÇÃO E RESTRIÇÃO AOS DIREITOS

Autores

  • Neusa Inês Philippsen Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Isabela Alves de Oliveira Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i45.11780

Palavras-chave:

linguagem, Direito, variação, Sociolinguística Variacionista

Resumo

A pesquisa aborda sobre a variação culta utilizada no Direito e o impacto no acesso à informação, que historicamente, no Brasil, foi limitado a uma minoria privilegiada. Todavia, com o avanço da tecnologia e o surgimento de diversos meios de comunicação, o acesso à informação tornou-se mais amplo, trazendo impactos significativos para a sociedade. Nesse contexto, a pesquisa, baseada na Sociolinguística Variacionista, discute não apenas a flexibilização da linguagem no Direito, mas também como a variação linguística influencia no acesso e compreensão das informações jurídicas, buscando minimizar a distância entre os grupos sociais. Para fundamentaro estudo, foram considerados autores importantes sobre a língua e a sua variação (BORTONIRICARDO, 2014; BAGNO, 2008; ALKMIM, 2001), assim como sobre a relação entre o Direito e a Linguagem (COLARES, 2017; GADAMER, 1999). Essa conexão entre as duas áreas se manifesta em aspectos da linguagem como objeto de comunicação e interpretação das normas jurídicas. A pesquisa pretende ser um instrumento de questionamento e mudança social, pois compreender como as pessoas interpretam determinados assuntos está diretamente ligado às suas vivências e experiências. Nesse contexto, cabe salientar o estudo de preconceitos linguísticos, que estão arraigados na sociedade e limitam a evolução da língua como instrumento de comunicação entre os seus usuários e, consequentemente, aos seus direitos.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Neusa Inês Philippsen, Universidade do Estado de Mato Grosso

    Pós-doutorado pela Universidade de São Paulo - USP (2018) e pós-doutorado pela Universität Augsburg - Alemanha (2022). Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo (USP). Professora de Língua Portuguesa e Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT/Curso de Letras) – Campus Universitário de Sinop.

  • Isabela Alves de Oliveira, Universidade do Estado de Mato Grosso

    Graduanda em Licenciatura em Letras pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) e Direito (UNIFASIPE). Bolsista de Pesquisa em Iniciação Científica pela FAPEMAT. Membro do GEPLIAS (Grupo de Estudos e pesquisas em Linguística Aplicada e Sociolinguística). Editora da Revista Norte@mentos da UNEMAT/Sinop

Referências

ALKMIM, T. M. Sociolinguística. In: MUSSALIM, F. & BENTES, A.C. (orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. vol.1. São Paulo: Cortez, 2001.

BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico: o que é, como se faz. 5 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Manual de Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemu na escola, e agora?. São Paulo: Parábola, 2005.

BORTONI-RICARDO, S. M. Problemas de comunicação interdialetal. IN: LEMLE, Mirian (org.) Sociolinguística e ensino do vernáculo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituição.htm. Acesso em: 1 mai. 2022.

BRIGHT, W. As dimensões da sociolinguística. Sociolinguística. Rio de Janeiro: Eldorado, 1974.

COLARES, Virginia - Linguagem e Direito – caminhos para a linguística forense”.Cortez Editora; 1ª edição. São Paulo, 2017.

GADAMER, Hans-Georg. “Verdade e Método - Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica”. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 3° Edição. Petrópolis, 1999.

GUIMARÃES, Luciana Helena Palermo de Almeida. A simplificação da linguagem jurídica como instrumento fundamental de acesso à justiça. Publ. UEPG Ci. Hum., Ci. Soc. Apl., Ling., Letras e Artes, Ponta Grossa, 20 (2): 173-184, jul./dez. 2012.

G1 GLOBO. 28 milhões de pessoas no Brasil não usaram internet em 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2022/09/16/em-2021-28-milhoes-depessoas-no-brasil-nao-usaram-a-internet-diz-ibge.ghtml. Acesso em 14 maio 2023.

GUMPERZ, J. J. Language and social identity: Studies in interational sociolinguistic. Cambridge. University Press. New York, 1988.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisao; traduçao de Raquel Ramalhete. Petropolis, Vozes, 20° Ediçao, 1987.

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESPÍRITO SANTO. Glossário De Termos Jurídicos. Disponível em: https://www.mpf.mp.br/es/sala-de-imprensa/glossario-determos-juridicos#E. Acesso em 28 maio 2023.

SCHLEIERMACHER. F.D.E. Hermenêutica: Arte e técnica da interpretação. Tradução de Celso Reni Braida. Petrópolis, 2017.

Downloads

Publicado

30/09/2023

Como Citar

A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA CULTA DO DIREITO E A DIFICULDADE NO ACESSO À INFORMAÇÃO E RESTRIÇÃO AOS DIREITOS. (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(45). https://doi.org/10.30681/rln.v16i45.11780

Artigos Semelhantes

1-10 de 194

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>