RETÓRICA SENTIMENTAL E NAUASAKIRI: DIÁLOGOS ENTRE MEMÓRIAS, ORALIDADE E DISCURSO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/rln.v16i42.10749

Palavras-chave:

Tradição oral, Identidades, Cruzeiro do Sul.

Resumo

Este artigo analisa uma entrevista e duas produções musicais (Retórica Sentimental e Nauasakiri) do artista cruzeirense Alberan Moraes, tendo como objetivo: construir diálogos com suas memórias, oralidade e discurso. Nesse caminho entre sussurros ancestrais, memórias e signos, buscamos melodias harmoniosas com Zumthor, Le Goff, Halbwachs, Hall e Bakhtin. Como metodologia, optamos pela abordagem qualitativa por meio da análise das narrativas musicais e da entrevista. A partir das análises, percebemos nos seus versos, entrelinhas e acordes que as marcas da identidade ecoam; são lembranças registradas em canções; são tessituras de saberes tradicionais locais. Saberes esses que precisam ser valorizados, visibilizados e cantados.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Pabla Alexandre Pinheiro da Silva, Universidade Federal do Acre (UFAC)

    Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade (PPGLI) da Universidade Federal do Acre (UFAC). Turma de 2020.

  • Jannice Moraes de Oliveira Cavalcante, Universidade Federal do Acre (UFAC)

    Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade (PPGLI) da Universidade Federal do Acre (UFAC). Turma de 2020. jannice.cavalcante@ufac.br.

  • Maria Ana da Silva Morais Lima, Universidade Federal do Acre (UFAC)

    Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagem e Identidade (PPGLI) da Universidade Federal do Acre (UFAC). Turma de 2021. maria.lima@ifac.edu.br.

Referências

AABNT. ABNT NBR 6023: 2018: Informação e documentação – Referências – Elaboração. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1ScYCUgEu6fT3BGKWBu6MHk2lHy-KjMOa/view. Acesso em: 16 jan. 2019.

BÁ, A.H. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (ed.) História Geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2 ed. Brasília: UNESCO, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BERGAMINI, Claudia Vanessa. A poética da voz: análise da voz em narrativas orais. Boitatá - Revista do GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL, vol. 6, n. 11, 2011. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/boitata/article/view/31181. Acesso em: 2 nov. 2021. DOI: https://doi.org/10.5433/boitata.2011v6.e31181

BORTOLI, Cristiane de. Tradições orais e canções Shanenawa através das memórias de Shuayne, patriarca da aldeia Shane Kaya. Dissertação (Mestrado em Letras: Linguagens e Identidade). Universidade Federal do Acre, Rio Branco - Acre, 2020. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=9239033. Acesso em: 10 dez. 2021.

CAVALCANTE, Jannice Moraes de Oliveira. A realidade do ensino de língua inglesa: dificuldades e problemas enfrentados em uma escola rural. 2013. Dissertação (Mestrado em Letras: Linguagens e Identidade). Universidade Federal do Acre, Rio Branco, Acre, 2013.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: (mitos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

FILHO, José Inácio. Fatos, cultos e enldas do Acre. Rio de Janeiro: Companhia Brasileira de Artes Gráficas, 1964.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. 2 ed. São Paulo: Centauro, 2006.

HALL, Stuart. New Ethnicities. In: The postcolonial studies reader. Eds. Bill Ashcroft et al. London: Routledge, 1997, p. 223-27.

ISHII, Raquel Alves. William Chandless: arte e ofício em literatura de viagem pelas Amazônias. Rio Branco: Nepan, 2019.

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de Filosofia. 4. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

LIMA, Francisco Peres de. Folk-lore Acreano. Rio de Janeiro: Brasília Editora-Rio, 1938.

LE GOFF, J. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão [et al.]. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1990.

MARTINS, Rosana Maria. Caminhos de aprendiz de professora: processos identitários em uma comunidade de aprendizagem online. EDUR. Educação em Revista. 2018. Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Belo Horizonte. n. 34. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698172625

MELO, Hélio. O caucho, a seringueira e seus mistérios e história da Amazônia. Rio Branco: Bobgraf, Editora Preview, 1996.

MORAES, Alberan. Entrevista concedida em 8 e 10 de dezembro de 2021.

MOREIRA, Terezinha Taborda. Literatura e oralidades. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 19, n. 37, p. 9-20, 2º sem. 2015. Disponível em: https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502475660_ARQUIVO_ARTIGO_COMPLETO_XXIX_SNH.pdf. Acesso em: 10 dez. 2021.

PACHECO, Agenor Sarraf. Cidade-Floresta In: Gerson Rodrigues de; PACHECO, Agenor Sarraf. Uwa’kürü – Dicionário Analítico – 1. Rio Branco: Nepan, 2016, p. 108-129.

PANTOJA. A. R. Chico Mendes: a construção ficcional de uma personagem histórica. In: Associação Brasileira de Literatura Comparada - ABRALIC. Congresso Internacional, 30 jul. a 03 de ago. 2018.

PESAVENTO, S. J.; SANTOS, N. M. W.; ROSSINI, M. S. Narrativas, imagens e práticas sociais: percursos em história cultural. Porto Alegre, RS: Asterisco, 2008.

PESAVENTO, S. J. Trabalhadores e máquinas: Representações do progresso (Brasil 1880-1920). Anos 90. Porto Alegre, nº 2, p. 165-182, maio 1994. DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.6132

YACONEWS. Quase 30 anos sem Tião Natureza, cantor, músico e compositor Acreano, assassinado com uma facada no peito. YacoNews, 21 mar. 2021. Disponível em: http://yaconews.com/2021/03/quase-30-anos-sem-tiao-natureza-cantor-musico-e-compositor-acreano-assassinado-com-uma-facada-no-peito. Acesso em: 17 dez. 2021.

ZUMTHOR, P. A letra e a voz. A “literatura” medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, P. Escritura e nomadismo. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Sônia Queiroz. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

ZUMTHOR, P. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat e Maria Inês de Almeida. São Paulo: Hucitec, 1997.

Downloads

Publicado

22/06/2023

Edição

Seção

Artigos Estudos Literários

Como Citar

RETÓRICA SENTIMENTAL E NAUASAKIRI: DIÁLOGOS ENTRE MEMÓRIAS, ORALIDADE E DISCURSO. (2023). Revista De Letras Norte@mentos, 16(42). https://doi.org/10.30681/rln.v16i42.10749

Artigos Semelhantes

1-10 de 113

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.