A CONSTITUIÇÃO DE ESPAÇOS EDUCACIONAIS PELO MOVIMENTO CAMPONÊS: AS EXPERIÊNCIAS DO MST

Autores

  • Laudemir Luiz Zart
  • Loriége Pessoa Bitencourt
  • Leda Gitahy

Palavras-chave:

educação do campo, movimentos sociais, ciência e tecnologia.

Resumo

Refletimos sobre a proposição e as experiências de espaços educacionais constituídos e institucionalizados pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e como estes representam uma caminhada para a organização e sistematização da filosofia pedagógica e científica na perspectiva social emancipatória. Temos como objetivo descrever características de quatro destas iniciativas para entendermos a configuração das concepções e das práticas relativas à ciência, à tecnologia e ao processo de construção de referenciais para a educação do campo. Demonstramos que as concepções epistemológicas e as atitudes políticas estão entrelaçadas na leitura de mundo e nas práticas sociais que configuram a existência camponesa. Como metodologia, utilizamos a revisão bibliográfica e documental, a observação de campo nos espaços educacionais onde selecionamos alguns educadores e lideranças do MST para entrevistar. Como resultado, evidenciamos os fundamentos gnosiológicos, metodológicos e político-educacionais que orientam o pensamento pedagógico e as ações educativas na ENFF, ITERRA, IEJC, CEAGRO e do CEEPATEC.

Referências

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba: Agropecuária, 2002.

BLOCH, E. O Princípio Esperança (Vol. I). (Trad. Nélio Schneider). Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

BONFIM, G. A. Educação e Formação dos Camponeses Assentados na Comunidade Terra Viva: análise de práticas sociais e produtivas para o desenvolvimento da agroecologia e da socioeconomia solidária. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação. Cáceres/MT: UNEMAT, 2010.

CALDART, R. S. Educação do Campo em Movimento: formação de educadoras e educadores no MST. Petrópolis/RJ: Vozes, 1997.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e Extensão Rural: contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável.Brasília: MDA/ SAF/DATER/IICA, 2004. CEEPATEC. Projeto de Construção do Centro de Formação, Capacitação, Cultura, Estudo e Pesquisa dos Trabalhadores e Trabalhadoras Eldorado dos Carajás. Nova Andradina/MS: CEEPATEC, 2007.

CEAGRO - DIREÇÃO POLÍTICA DO CEAGRO. Estruturação CEAGRO - Extensão Vila Velha. Rio Bonito do Iguaçu/PR: 2007.

ET-UFPR/CEAGRO - Escola Técnica da Universidade Federal do Paraná e Centro de Desenvolvimento Sustentável e Capacitação em Agroecologia. Plano do Curso Técnico em Agroecologia – ensino médio, Turma 4 (integrado).Curitiba: Cantagalo, 2006.

FERNANDES, F. Sociedade de Classes e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1981. ITERRA - Instituto de Educação Josué de Castro. Método Pedagógico. Cadernos do ITERRA, Ano IV, nº 9, Veranópolis/RS, 2004.

MANÇANO FERNANDES, B.. O MST e a Pesquisa. In: ____________. Articulação de Pesquisadores do MST e Coletivo Político Pedagógico do Instituto Josué de Castro. Cadernos do ITERRA, Ano I, nº 3, Veranópolis/RS, 2001.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – Setor de Educação. Educação no MST, Balanço de 20 Anos. São Paulo: MST, 2004.

PAWLAK, C. A Formação de Técnicos no Centro de Desenvolvimento Sustentável e Capacitação em Agroecologia, Cantagalo – PR: um enfoque no papel da auto–organização e da pesquisa. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação. Cáceres/MT: UNEMAT, 2010.

PIZETTA, A. J. A Formação de Quadros Políticos: elaboração teórica, experiências e atualidade (p. 91-99). In: COLETIVO PEDAGÓGICO DA ESCOLA NACIONAL FLORESTAN FERNANDES. A Política de Formação de Quadros. Guararema/SP: 2007.

TIRIBA, L. Economia Popular e Cultura do Trabalho: pedagogia(s) da produção associada. Ijuí/RS: Editora UNIJUÍ, 2001.

Downloads

Publicado

29/08/2019

Como Citar

Zart, L. L., Bitencourt, L. P., & Gitahy, L. (2019). A CONSTITUIÇÃO DE ESPAÇOS EDUCACIONAIS PELO MOVIMENTO CAMPONÊS: AS EXPERIÊNCIAS DO MST. Revista Da Faculdade De Educação, 27(1), 105–124. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/3922

Edição

Seção

ARTIGO