A CONSTITUIÇÃO DA NOÇÃO DE PALAVRA DURANTE A AQUISIÇÃO DA ESCRITA

Autores

  • Carmen Regina Gonçalves Ferreira FURG

DOI:

https://doi.org/10.30681/21787476.2021.36.89104

Palavras-chave:

Aquisição da escrita, Noção de palavra, Segmentação vocabular

Resumo

Este artigo analisa as percepções infantis no processo de aquisição da escrita a respeito do que seja uma palavra. Os dados foram coletados por meio de entrevistas clínicas que visaram indagar sobre o que as crianças entendiam ser uma palavra e a interpretação das respostas teve o suporte da teoria dos constituintes prosódicos. Os resultados mostraram que os critérios são oscilantes, pois há momentos em que a criança interpreta a palavra de acordo com o número de letras e em outros, como sílabas, evidenciando que a trajetória em direção à palavra apresenta multiplicidade de acepções.

Biografia do Autor

Carmen Regina Gonçalves Ferreira, FURG

Possui licenciatura em Letras com habilitação em Língua Portuguesa e Literatura (FURG) , licenciatura em Pedagogia (UNINTER), especialização em Ciências Sociais na Educação (URCAMP), mestrado em Educação (UFPel) e doutorado em Educação (UFPel). É membro do grupo de pesquisa GEALE - UFPel (Grupo de Estudos sobre a Aquisição da Linguagem Escrita); e participa ainda do Grupo de Estudo e Pesquisa em Alfabetização e Letramento (GEALI-FURG). É membro do Laboratório de Alfabetização e Práticas de Incentivo a Leitura- LAPIL-FURG. Possui experiência nas áreas da Educação, Alfabetização, Educação Infantil, Linguística, e Formação Docente. Atualmente realiza Pós-doutorado na Universidade Federal do Rio Grande - FURG, na Faculdade de Educação, na linha de pesquisa formação de professores e práticas educativas.

Referências

ABAURRE, M. B. M.; CAGLIARI, L.C. Textos espontâneos na 1ª série: evidências da utilização, pela criança, de sua percepção fonética da fala para representar e segmentar a escrita. Em: Cadernos CEDES 14, Recuperando a alegria de ler e escrever. São Paulo: Cortez Editora. (pp. 25-29). 1985.

ABAURRE, M. B. M. A relevância dos critérios prosódicos e semânticos na elaboração de hipóteses sobre segmentação na escrita inicial. Boletim da ABRALIN, 1991.

BAEZ, M. La problemática de segmentar el texto escrito en palabras: una indagación psicolinguística. In: CÁRDENAS, V. I. Segmentación y escritura. Dos estudios sobre adquisición. Ed. Homo Sapiens. Rosario,1999.

CAPRISTANO, C.C. Mudanças na trajetória da criança em direção à palavra escrita. 2007. 245p. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

CARRAHER, T. N. O Método Clínico: usando os exames de Piaget. São Paulo: Cortez, 1989.

CHACON, L. Constituintes prosódicos e letramento em segmentações não-convencionais. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 39, n. 3, 2004, p. 223-232.

CHACON, L. Hipersegmentações na escrita infantil: entrelaçamento de práticas de oralidade e de letramento. Estudos Linguísticos, Campinas, v. 34, 2005, p. 77-86.

CUNHA, A. P. N. A hipo e a hipersegmentação nos dados de aquisição da escrita: um estudo sobre a influência da prosódia. Pelotas, 2004. 132p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas.

CUNHA, A. P. N. As segmentações não convencionais na escrita inicial: uma discussão sobre o ritmo linguístico do português brasileiro e europeu. Pelotas, 2010. 190p. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de Pelotas.

KATO, M. No mundo da escrita. São Paulo: Editora Ática, 2001.

FERREIRA, C. R. G. Um estudo sobre a segmentação não convencional na aquisição da escrita de alunos de EJA. 2011, 161p. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

FERREIRA, C. R. G. Uma palavra é o nome de cada coisa. Um estudo sobre as percepções de crianças do ciclo de alfabetização acerca da palavra oral e gráfica. 2016. 245p.Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

FERREIRO, E. PONTECORVO, C. Os limites entre as palavras. A segmentação em palavras gráficas. In: PONTECORVO, C.; et al. Chapeuzinho Vermelho aprende a escrever. São Paulo: Ática, p.38-66, 1996.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

FERREIRO, E. Reflexões sobre a alfabetização. São Paulo: Cortez, 2004.

FERREIRO. E. O ingresso na escrita e nas culturas do escrito: seleção de textos de pesquisa. São Paulo Ed.: Cortez, 2013.

MIRANDA, A. R. M.; VELOSO, J. M. P. A consciência linguística: aspectos fonológicos. Language Science Press, Berlim, 2017.

MIRANDA, A. R. M. A fonologia em dados de escrita inicial de crianças brasileiras. Linguística, Madrid, v. 30, p. 45-80, 2014.

MIRANDA, A. R. M. Os dados de aquisição oral e escrita e o estatuto das codas mediais do português. In: FERREIRA-GONÇALVES, G.; et al. Estudos em Aquisição Fonológica (vol 2). Santa Maria: Pallotti, 2009.

MORAES, A. Se a escrita alfabética é um sistema notacional (e não um código), que implicações isso tem para a alfabetização? In: Alfabetização: apropriação do sistema de escrita alfabética. In: ALBUQUERQUE, E. B. C. de; LEAL, T. F. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

NESPOR, M.; VOGEL, I. La Prosodia. Madrid: Visor Distribuciones, S.A., 1986.

PIAGET, J. A Epistemologia Genética. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1972.

TENANI, L. E. Segmentações não-convencionais e teorias fonológicas. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 39, n. 3, p. 233-244, 2004.

Downloads

Publicado

19/07/2022

Como Citar

Ferreira, C. R. G. (2022). A CONSTITUIÇÃO DA NOÇÃO DE PALAVRA DURANTE A AQUISIÇÃO DA ESCRITA. Revista Da Faculdade De Educação, 36(2), 89–104. https://doi.org/10.30681/21787476.2021.36.89104

Edição

Seção

ARTIGO