A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS ANGOLANAS E AS EXPERIÊNCIAS AVALIATIVAS

Autores

Resumo

O artigo aborda os pressupostos da avaliação institucional e a sua articulação com a promoção da qualidade de ensino no âmbito das políticas educacionais angolanas. De modo específico, identifica os conceitos de avaliação, de qualidade e analisa as tendências avaliativas no que tange as instituições de ensino superior no âmbito das políticas educacionais em Angola. A investigação que ora se apresenta, insere-se na abordagem da pesquisa exploratória de carácter bibliográfico para compor a análise da articulação entre o processo avaliativo institucional e as políticas governamentais. Ressalta-se que, a partir dos dados recolhidos, foi possível compreender as vertentes teóricas e metodológicas que incidem sobre as políticas de avaliação institucional em Angola, nota-se uma tendência de avaliação institucional, como iniciativas esporádicas, numa vertente diagnóstica que se insere nas visões e padrões da política educacional mais ampla, com ênfase na supervisão do Estado

Biografia do Autor

António Miguel André, Instituto Superior de Ciências de Educação de Luanda – ISCED/Luanda- Angola.

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP/ Investigador Coordenador (equiparado a Professor Catedrático) Instituto Superior de Ciências de Educação de Luanda – ISCED/Luanda- Angola.  /Ministério do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação de amamiguel02@yahoo.com.br

Marciele Nazaré Coelho, Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais – CIS/Luanda-Angola Luanda – Angola.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCar/ Professora Associada e Pesquisadora do Centro de Estudos Africanos - Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais – CIS/Luanda-Angola Luanda – Angola.  

Referências

AFONSO, A. J. Estado, mercado, comunidade e avaliação: Esboço para uma rearticulação crítica. Revista Educação e Sociedade. vol.20, n.69, Campinas, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301999000400007

ANDRÉ, A. M. C. Avaliação da qualidade em instituições de ensino superior públicas angolanas. Tese de Doutorado. Universidade de Aveiro. Departamento de Educação e Psicologia, 2016.

ANGOLA. Decreto nº 90/09 de 15 de Dezembro. Diário da República, I série, n.º 237 – aprova as Normas gerais reguladoras do subsistema de Ensino Superior, 2009.

CIS. Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais. Projecto de Avaliação Institucional do CIS. Direcção de Avaliação, Normalização e Controle Institucional do Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais. Luanda, Angola, 2014.

COELHO, M. N. Avaliação como fator de mudança institucional. Livro Actas. O papel da Universidade no Processo de Pacificação, Reconciliação, Democratização e Desenvolvimento da Sociedade. E-book. 15 a 16 de Setembro. Beira, Moçambique, 2015. Disponível em: https://docplayer.com.br/5741536-Livro-de-actas-e-book.html

DALBEN, A. Caminhos da construção de uma avaliação institucional participativa. Revista Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v. 27, n.65, p. 346-374, maio/ago. 2016. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/3919

FRANCISCO, T. H. A. et. al. A pauta da regulação da educação superior: um comparativo entre o Brasil e Angola. Brazilian Applied Science Review, Curitiba, v. 2, n. 4, Edição Especial, p. 1170-1199, set. 2018. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BASR/article/view/504/436

FREITAS, L. C. Qualidade negociada: avaliação e contrarregulação na escola pública. Revista Educação e Sociedade. Campinas, vol. 26, n. 92, p. 911-933, Especial, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v26n92/v26n92a10.pdf

GAMA, Z. Avaliação Institucional: primeiras aproximações. Teoria e crítica. Revista Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v. 23, n.52, p. 254-272, maio/ago, 2012. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/eae/article/view/1939

LÁZARO, F. J. Avaliação das instituições educativas como indicador da qualidade de ensino. RAC: Revista Angolana de Ciências. Vol. 2, nº 1, jan-jun, p. 208-229, 2020.

MARQUES, M. da C. da C. O novo sistema de avaliação e acreditação do Ensino Superior: impacto, repercussões e benefícios. Revista Universo Contábil. FURB, v. 6, nº. 1, p. 142-155, 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1170/117012552009.pdf

OLIVEIRA, A. L. M. et al. O objeto da avaliação institucional na heteronômica política pública brasileira. In.: BELLO, J. L. de P. Pedagogia em Foco. Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/avinst03.htm

PFEIFER, M. Dicotomias conceituais da avaliação da educação superior. Revista Avaliação. Campinas, Sorocaba, SP., v. 17, nº. 2, p. 351-364, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v17n2/04.pdf

SAMBO, M. R.; CANO, M. J.; AGUILAR, I. Auto-avaliação na FMUKB: experiência piloto, procedimento operacional e resultados preliminares. In: 2ª Conferência da FORGES. Fórum. Macau, 2012. Disponível em:

https://www.aforges.org/wp-content/uploads/2017/03/Sambo-Maria-et-al-UKB-Angola.pdf

SEES. Secretaria de Estado do Ensino Superior. Linhas Mestras para a Melhoria da Gestão do Subsistema do Ensino Superior. Luanda. 15 de Dezembro. Ministério da Educação, 2005.

SEES. Secretaria de Estado do Ensino Superior. Plano de Implementação das Linhas Mestras para a Melhoria da Gestão do Subsistema do Ensino Superior. Luanda. 15 de Dezembro. Ministério da Educação, 2006.

SEES. Secretaria de Estado do Ensino Superior. Novos Rumos do Ensino Superior. III Conferência dos Ministros da Educação de África (COMEDAFIII). Joanesburg. 6 a 10 de Agosto de 2007.

SILVA, E. A. da; MENDES, M. da C. B. Avaliação, acreditação e gestão do Ensino Superior em Angola: percepções, desafios e tendências. Paper, 2011a. Disponível em: http://www.forumgestaoensinosuperior2011.ul.pt/docs_documentos/15/paineis/08/mcbm_eas.pdf

SILVA, E. A. da; MENDES, M. da C. B. Avaliação institucional na Universidade Agostinho Neto (Angola) e regulação estatal. Perspectivas, práticas e desafios. Revista Avaliação. Campinas, v. 17, n.2, p. 317-350, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-40772012000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

SILVA, E. A. da. Gestão do Ensino Superior em Angola: realidades, tendências e desafios rumo à qualidade. Luanda: Mayamba, 2016.

SOBRINHO, J. D. Políticas y conceptos de calidad: dilemas y retos. Revista Avaliação. Campinas; Sorocaba, SP, v. 17, n. 3, p. 601-618, nov. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772012000300003&lng=pt&nrm=iso

UAN. Universidade Agostinho Neto. Faculdade de Medicina. Relatório Final da Avaliação Interna da Faculdade de Medicina. Luanda, Angola, 2006. Disponível em: http://www.fmuan.ao/documentos/Avalia%E7%E3o/Avalia%E7%E3o%20Interna%20da%20Faculdade%20de%20Medicina%20da%20UAN-%20Relat%F3rio%20Final.pdf

Downloads

Publicado

2021-01-11

Como Citar

André, A. M., & Coelho, M. N. (2021). A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS ANGOLANAS E AS EXPERIÊNCIAS AVALIATIVAS. Revista Da Faculdade De Educação, 34(2), 135–156. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/5153

Edição

Seção

ARTIGO