A EDUCAÇÃO EM SAÚDE E A BNCC EM TEMPOS DE PANDEMIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/21787476.2021.35.1533

Palavras-chave:

Saúde, Competências socioemocionais, Base Nacional Comum Curricular, Escola Promotora de Saúde

Resumo

A Base Nacional Curricular Comum (2017) inovou ao considerar a saúde socioemocional além da biológica, o que dialoga com o modelo das Escolas Promotoras de Saúde. Todavia, no desenvolvimento do texto, a BNCC enfatiza a saúde física e a discussão sobre as condutas que provocam impactos prejudiciais ao meio ambiente e saneamento básico, na dimensão coletiva, desconsiderando a importância da saúde mental e emocional no contexto educativo. A Pandemia do coronavírus em 2020 evidenciou a importância da educação em saúde, no âmbito individual e coletivo, assim como a relevância da saúde mental no enfrentamento dos novos desafios emergentes. Ainda, o retorno às aulas, diferentemente de outros períodos de férias, após os alunos terem passado por um período de isolamento, talvez sofrido a perda de familiares e/ou amigos, é um cenário de grande desafio, no qual a saúde física e emocional de todos os atores da educação será central, ressaltando a necessidade de uma educação em e para a saúde física e emocional. As leis e diretrizes nacionais, no campo da educação, precisam trazer meios para a construção de competências socioemocionais dos alunos, para que estejam preparados para enfrentar os desafios da escola e da vida.

Biografia do Autor

Roberto Tadeu Iaochite, UNESP-Rio Claro, SP.

Doutor – Professor do Departamento de Educação da UNESP-Rio Claro, SP, Brasil. robertoiaochite@gmail.com

Elias José de Lima Júnior

Mestre em Educação – Doutorando em Educação da UNESP-Rio Claro, SP, Brasil.

Simone Alves Pedersen

Mestre em Educação – Doutoranda em Educação da UNESP-Rio Claro, SP, Brasil. 

Referências

BANDURA, Albert. Social Foundations of thought and action: a social cognitive theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1986.

BANDURA, Albert. Self-efficacy: the exercise of control. New York, NY: Freeman, 1997.

BANDURA, Albert. Health promotion from the perspective of social cognitive theory. Psychology and health, v. 13, n.4, p.623-649, 1998.

BANDURA, Albert. Health promotion by social cognitive means. Health education & behavior, v. 31, n. 2, p. 143-164, 2004.

BANDURA, Albert. The primacy of Self-Regulation in Health Promotion. Applied Psychology: na International review, 54 (2), p. 245-254, 2005.

BANDURA, Albert. Ejercicio dela eficacia personal y coletiva em sociedades cambiantes. In: Auto-Eficacia: Cómo afrontamos los câmbios de la Sociedad actual. Bandura, A. (Ed.). Desclée De Brouwer, Biblioteca de Psicología, p. 19-55, Espanha, 1999.

BARBI, Juliana Silva Pedro; NETO, Jorge Megid. A Saúde nos anos finais do Ensino Fundamental: Uma análise de documentos de referência. XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC – 3 a 6 de julho, p.1-8, 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9394/1996, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais – Saúde. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Escolas promotoras de saúde: experiências no Brasil. Ministério da Saúde, 2007.

BRASIL, Presidência da República - Casa Civil. Institui o Programa Saúde na Escola – PSE. Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde na Escola. Série B. Textos Básicos de Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 24. Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Terceira Versão. Brasília: Secretaria da Educação Básica, 2017.

BRASIL, Ministério da Saúde e Educação –Manual de Adesão ao Programa Saúde na Escola – PSE - 2017. Disponível em http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/manual_adesao_pse_2017.pdf. Acesso em 02 de jun. de 2018.

BRASIL, Secretaria Nacional de Juventude. Coordenação Geral de Políticas Transversais. Participatório - Observatório Participativo da Juventude. Pesquisa Agenda Brasil: pesquisa nacional sobre o perfil e opinião dos jovens brasileiros -2013. Brasília: SNJ, 2013.

CARLINI-MARLATT, Beatriz. Jovens e drogas: saúde, política neoliberal e identidade jovem. Retratos da juventude brasileira: análises de uma pesquisa nacional, p. 303-321, 2005.

DAHLBERG, Linda. L.; KRUG, Etienne. G. Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2006, vol.11, supl., pp.1163-1178. ISSN 1413-8123. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000500007.

DE SOUZA, Isabela Pilar Moraes Alves; JACOBINAB, Ronaldo Ribeiro. Educação em saúde e suas versões na história brasileira. 2009.

FIGUEIREDO, Túlio A. M.; MACHADO, Vera Lúcia.; DE ABREU, Margaret S. A saúde na escola: um breve resgate histórico. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 2, 2010.

GAUTHIER, Clermont. Por uma teoria da Pedagogia. Ijuí: Editora Unijui, 1998.

GOUVÊA, Lavn de. Educação para a saúde na legislação educacional no Brasil. Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais no Brasil, 2003.

GOMES, José Precioso. As Escolas Promotoras de Saúde: uma via para promover a saúde e a educação para a saúde da comunidade escolar. Educação, v. 32, n. 1, 2009.

IAOCHITE, Roberto Tadeu. Investigações e Práticas em Escolas Promotoras de Saúde: aproximações com a Teoria Social Cognitiva. In: IAOCHITE, R. T.; AZZI, R. G. (Orgs) Autoeficácia em Contextos de Saúde, Educação e Política. Volume I. Coleção TSC em Debate. Porto Alegre – RS. Letra 1, 2017.

IPPOLITO-SHEPHERD, Josefa. Promoção da saúde no âmbito escolar: a iniciativa regional Escolas Promotoras da Saúde. In: Escola promotora de saúde: manual. SBP, p. 5-11, 2005.

LABOISSIÈRE, Peter. Quase 90% dos brasileiros consideram a saúde péssima, ruim ou regular. http://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2018-06/para-89-dos-brasileiros-saude-e-considerada-pessima-ruim-ou-regular. Acessado em: 30 out. 2018.

MENEGHETTI, Francis Kanashiro. O que é um ensaio-teórico? RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, 2011.

MENIN, Maria Suzana de Stefano; BATAGLIA, Patrícia Unger Raphael; ZECHI, Juliana. Experiências bem-sucedidas de educação moral no Brasil. São Paulo: Cortês, 2013.

MOHR, Adriana; SCHALL, Virgínia T. Rumos da educação em saúde no Brasil e sua relação com a educação ambiental. Cadernos de Saúde Pública, v. 8, p. 199-203, 1992.

OPAS/OMS Brasil - Escolas Promotoras de Saúde – Disponível em (http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=588:escolas-promotoras-de-saude&Itemid=685. Acesso em 02 mai 2018.

OPAS/OMS BRASIL. OPAS/OMS apoia governos no objetivo de fortalecer e promover a saúde mental da população. Publicado em 10 de out de 2016. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5263:opas-oms-apoia-governos-no-objetivo-de-fortalecer-e-promover-a-saude-mental-da-populacao&Itemid=839>. Acessado em 09 set 2018.

POLYDORO, Soely; AZZI, Roberta G. Auto-regulação: aspectos introdutórios. In: BANDURA, Albert.; AZZI, Roberta G.; POLYDORO, Soely. (Orgs.) Teoria Social Cognitiva – Conceitos Básicos. Porto Alegre: Artmed, p. 149-164. 2008.

SALDIVA, Paulo Hilário Nascimento; VERAS, Mariana. Gastos públicos com saúde: breve histórico, situação atual e perspectivas futuras. Estudos Avançados, v. 32, n. 92, p. 47-61, 2018.

SEVERINO, Antonio J. Metodologia do trabalho científico. 22.ed.rev e ampl. São Paulo: Cortez, 2002.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TOGNETTA, Luciene Regina Paulino, DAUD, Rafael Petta. Formação docente e superação em bullying: um desafio para tornar a convivência ética na escola. Perspectiva - Revista do Centro de Ciências da educação, Volume 36, n.1, p. 369-384, jan./mar. 2018.

WHO - World Health Organization - Partners in Life Skills Education - Conclusions from a United Nations Inter-Agency Meeting. 1998.

Downloads

Publicado

28/08/2021

Como Citar

Iaochite, R. T., Lima Júnior, E. J. de, & Pedersen, S. A. (2021). A EDUCAÇÃO EM SAÚDE E A BNCC EM TEMPOS DE PANDEMIA. Revista Da Faculdade De Educação, 35(1), 15–33. https://doi.org/10.30681/21787476.2021.35.1533

Edição

Seção

ARTIGO