A etnomatemática como ferramenta do saber/fazer matemático nos artesanatos dos bichinhos de madeira do povo Guarani

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/21787476.2023.E392303

Palavras-chave:

Artesanatos, Povo Guarani, Etnomatemática

Resumo

Esta pesquisa salienta algumas discussões presentes em uma pesquisa de doutorado, possuindo seu caráter
teórico-metodológico assentado em pressupostos do Programa Etnomatemática, na vertente “dambrosiana”, e dialoga
com os saberes dos povos originários, como organizam seus cotidianos e, por sua vez, desenvolvem o seu saber/
fazer matemático acerca de suas necessidades socioculturais. Nesse sentido, olhar para outras formas de saber/fazer
matemático é reconhecer que cada grupo social possui um sistema de educação tradicional, construído a partir do
fortalecimento de seus aspectos socioculturais. Nosso foco são os conhecimentos Guarani envolvidos na produção
de artesanatos e adereços, o seu saber/fazer artesanal, que é passado de geração em geração, nas artes/técnicas dos
artesãos e das artesãs. Como desdobramento da investigação, apresentamos um estudo sobre artesanatos e adereços
produzidos por indígenas Guarani da comunidade Tekoha Ocoy, no município de São Miguel do Iguaçu, no oeste do Paraná.
Entre os resultados da pesquisa, identificamos saberes e fazeres etnomatemáticos dos indígenas Guarani no cotidiano
e na realidade dessa comunidade, em suas memórias históricas e em aspectos socioculturais e habituais das pessoas.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Rhuan Guilherme Tardo Ribeiro, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

    Doutor em Educação para Ciências e a Matemática pela Universidade Estadual de Maringá (PCM-UEM), Mestre em Ensino pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Foz do Iguaçu (PPGEn-UNIOESTE). Licenciado em Matemática, pela Faculdade de Ensino Superior de São Miguel do Iguaçu (FAESI). Licenciado em Física pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Pós-graduado em Educação do Campo, Educação Especial Inclusiva, Metodologia de Matemática e Física, pela Faculdade São Luiz. Atualmente, é líder do grupo de Pesquisa em Etnomatemática Indígena (GPEIND) e integrante do grupo INTERART: Interação entre arte, ciência e educação: diálogos e interfaces com as Artes Visuais da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Professor do curso de Licenciatura Intercultural Indígena da Faculdade Intercultural Indígena- FAIND da Universidade Federal da Grande Dourados. Promove um amplo olhar para as diferentes didáticas no ensinar Matemática/Física. Em especial às comunidades Indígenas Guarani. Tem experiência em Educação Matemática, com ênfase em Etnomatemática, Formação de Professores indígenas, Ensino de Física/ciências e Educação Indígena.

  • Josie Agatha Parrilha da Silva, Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

    Doutora em Educação para Ciência pelo Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência e a Matemática da Universidade Estadual de Maringá - PCM/UEM (2009-2013). Pós-Doutorado em Educação para a Ciência - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP de Bauru (2015-2016). Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - PPE/UEM (2004-2006). Especialização em Educação Pública - UEM (2001-2003) e Especialização em Docência no Ensino Superior - CE-SUMAR (2006-2007). Licenciatura em Pedagogia (1984-1988) e Licenciatura em Artes Visuais (2004-2006). Atuação Profissional: Professora Associada do Departamento de Artes, da Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG. Atua em disciplinas ligadas a formação de professores/as para o curso de Licenciatura em Artes Visuais. Docente do corpo permanente dos Programas stricto sensu de Pós-Graduação: Ensino em Ciências e a Educação Matemática (PPGECEM - UEPG) e Educação para a Ciência e a Matemática (PCM - UEM). Líder do grupo de pesquisa INTERART - Interação entre Arte, Ciência e Educação: diálogos e interfaces nas Artes Visuais (CNPq), o INTRART tornou-se um Projeto de Pesquisa Interinstitucional com parcerias com diferentes propiciando interações em atividades e projetos de ensino, pesquisa e extensão. Coordena a Pesquisa continuada - Imagens na relação arte e ciência, cadastrada na UEPG (a partir de 2017). Coordenadora do subprojeto Residência Pedagógica Interdisciplinar - Artes Visuais, Matemática e Música (a partir de 2022). Coordena o Projeto de Extensão INTERARC - Interação entre Arte e Ciência em atividades de extensão com enfoque interdisciplinar. Participante de projeto de Pesquisa - Formação e Competências Docentes para Educação de Qualidade e Equidade nas Ciências e na Matemática (2022-2024). Coordenou o Projeto Leitura e análise interdisciplinar da imagem: contribuições para o ensino de ciência com enfoque CTS (ciência, tecnologia e sociedade) - CNPq (2019 a 2022). Coordenou o Programa de Pós-Graduação PPGECEM entre 2021 a 2023. Coordenou projetos ligados a formação do professor com ênfase na interdisciplinaridade: o PIBID Interdisciplinar (um dos subprojetos do Projeto Institucional do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) PIBID, CAPES (2014-2015); Socializando Teorias e Vivências para Professores de Arte da Educação Básica - Novos Talentos da UEPG (2011 a 2012); Processos Formativos de Inovação no Ensino da Arte para Professores de Artes Visuais e Música da Educação Básica - Novos Talentos da UEPG (2010 a 2011); Subsídios interdisciplinares às licenciaturas em Artes Visuais, Pedagogia e Ciências - Sem Fronteiras, SETI (2009 a 2010). Atua na tríade universitária: Ensino Pesquisa e Extensão, com projetos ligados as Artes Visuais com enfoque interdisciplinar (ênfase na relação entre a Arte e a Ciência). Orienta alunos/bolsistas: Mestrado (PPGECEM - PCM) e Doutorado (PCM); Iniciação Científica (PIBIC/BIC). http://orcid.org /0000-0002-8778-6792

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas (RCNEI). Brasília: MEC/SEF, 2012.

BRIEDIS, F. C.; LENZI, G. G.; A Produção Artesanal Indígena: Percepções Econômica, Financeira e Produtiva. In: XI Congresso Brasileiro de Engenharia de Produção – ConBRepro, 2021.

CARMO, G. “Às vezes não é onça física”: espíritos-animais e projetos sustentáveis na sociocosmologia Kaiowá e Guarani. Revista De História Da UEG, 1(1), 119-142, 2012.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a Modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

FARACO, M. J. Bichinhos Guarani: De artesanato a objeto. Monografia (Graduação em Ciências Sociais). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2015.

GONÇALVES, A. Mba’ Erei Eri Ra Anga: As esculturas de madeira e seus aprendizados. Monografia (Graduação em Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

KASTELIC, E. S. D. Formação de Professores Indígenas e as necessidades socioculturais da microcomunidade dos indígenas Avá-guarani de Santa Rosa Do Oco’ y. Tese (Doutorado em Letras e Linguística), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

MILEZZI, M. P. O artesanato guarani entre o encanto e o conflito: A intervenção do design na produção de artesanato tradicional sob uma ótica descolonial. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

RIBEIRO, B. 1978. O artesanato indígena como bem comerciável. In Ensaios de Opinião 5:68-77.

RIBEIRO, Z. F. Adaptações e demandas no artesanato indígena. In: J.M.P. BALLIVIÁN (org.), Tecendo relações além da aldeia: artesãos indígenas em cidades da Região Sul. OIKOS, Comin, p. 13-14. 2014.

ROSA, M.; OREY, D.C. Abordagens Atuais do Programa Etnomatemática: delineando um caminho para a ação pedagógica. Bolema, Rio Claro, SP, ano 19, n. 26, p. 19-48, 2006.

RUSSO, K. (Org.) ; PALADINO, M. (Org.). Ciências, tecnologias, artes e povos indígenas no Brasil. 1. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2016. 245p.

SILVA, A. O grafismo e significados do artesanato da comunidade guarani da linha gengibre. Monografia (Graduação em Licenciatura Indígena Intercultural do Sul da Mata Atlântica). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SILVA, S. F. da. Sistema de numeração Guarani: caminhos para a prática pedagógica. 2011. 254 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

VERGANI, T. Educação etnomatemática: o que é? Natal: Flecha do Tempo, 2007

Downloads

Publicado

2023-08-10

Como Citar

A etnomatemática como ferramenta do saber/fazer matemático nos artesanatos dos bichinhos de madeira do povo Guarani . Revista da Faculdade de Educação, [S. l.], v. 39, n. 1, p. e392303, 2023. DOI: 10.30681/21787476.2023.E392303. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/11434.. Acesso em: 20 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.