Artefatos Culturais e Tecnológicos nas Veredas das Salas de Aula

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/21787476.2023.E392308

Palavras-chave:

Currículo, Escola, Artefatos Culturais e Tecnológicos

Resumo

Neste artigo, objetivamos problematizar os usos de artefatos culturais e tecnológicos nos anos iniciais do ensino fundamental, em uma escola estadual do município de Mirassol D’Oeste, Mato Grosso. Realizamos o mapeamento dos artefatos culturais e tecnológicos presentes nos anos iniciais do ensino fundamental e cartografamos como acontecem seus usos, identificando práticas de reprodução e de produção de tais artefatos naquele cotidiano. Para potencializar as problematizações tecidas ao longo deste estudo e pensar o artefato tecnológico enquanto potência criativa para a existência de outras possibilidades de ser e agir dentro da escola, dialogamos com Oliveira e Alves (2008), Andrade (2011) e Prensky (2001).

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Luana dos Santos Nogueira Garcia, Secretaria do Estado de Educação - MT

    Professora da Rede Pública Estadual (SEDUC), Cáceres/MT, Brasil

     luana.nogueira@edu.mt.gov.br

    https://orcid.org/0000-0001-5508-0149

  • Maritza Maciel Castrillon Maldonado, Universidade do Estado de Mato Grosso

    Professora e pesquisadora da Faculdade de Educação e Linguagem - FACEL e do Programa de Pós-Graduação em Educação PPGEdu/UNEMAT, Cáceres/MT, Brasil

    maritza@unemat.br

    https://orcid.org/0000-0001-6574-4463

Referências

ALVES, L.; NOVA, C. (Org.). Educação a distância: uma nova concepção de aprendizado e interatividade. São Paulo: Futura, 2003.

AMARO, Ivan; SOARES, Maria da Conceição Silva. Tecnologias digitais nas escolas: outras possibilidades para o conhecimento. 1. ed. – Rio de Janeiro: De Petrus et Alii; Brasília, DF: CAPES, 2016.

BRASIL. IBGE – Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Síntese de Indicadores Sociais (SIS): uma análise das condições de vida da população brasileira 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

COELHO, Patricia Margarida Farias; COSTA, Marcos Rogério Martins; NETO, João Augusto Mattar. Saber Digital e suas Urgências: reflexões sobre imigrantes e nativos digitais. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 3, p. 1077-1094, jul./set. 2018.

COSTA, Marisa Vorraber. Estudos Culturais em educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2000.

DU GAY, P. et al. Doing Cultural Studies: The Story of the Sony Walkman. Londres: Sage, 1997.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

LEMOS, Silvana. Nativos digitais x aprendizagens: um desafio para a escola. B. Téc. Senac: a R. Educ. Prof., Rio de Janeiro, v. 35, n.3, set./dez. 2009.

LIVINGSTONE, Sonia. Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. MATRIZes, São Paulo: ECA-USP, Ano 4, n.2, p.11-42, 2011.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de; ALVES, Nilda. Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas. – Petrópolis: DP et Alli, 2008.

PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants. NCB University Press, v. 9 n. 5, October, 2001.

SILVA, Elizabeth Farias da. Guerra do fogo: um conto da modernidade ou quem conta um conto, esconde muitos pontos. In: VII Congresso Brasileiro de História da Educação, 2013, Cuiabá. Anais do VII Congresso Brasileiro de História da Educação. Cuiabá, 2013.

Downloads

Publicado

2023-09-19

Como Citar

Artefatos Culturais e Tecnológicos nas Veredas das Salas de Aula. Revista da Faculdade de Educação, [S. l.], v. 39, n. 1, p. e392308, 2023. DOI: 10.30681/21787476.2023.E392308. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/ppgedu/article/view/11708.. Acesso em: 12 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 174

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.