O processo educacional das mulheres negras no ensino superior: uma análise no curso de Pedagogia da UNEMAT - Câmpus de Sinop

Visualizações: 18

Autores

  • Edileusa Gonzaga Margarida Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.30681/reps.v10i1.10195

Resumo

O artigo tratada trajetória das mulheres negras no Curso de Pedagogia, da Universidade do Estado de Mato Grosso, Câmpus de Sinop. A pesquisa, de cunho qualitativo, foi realizada por meio de entrevistas semi-estruturadas e questionários aplicados a acadêmicas do curso. Também foram coletados dados na Secretaria Acadêmica da instituição sobre a quantidade de cotistas nesse curso. O objetivo foi compreender os desafios para esse grupo de pessoas na formação acadêmica e permanência através de programas, projetos e políticas institucionais. Concluiu-se que, apesar da eficiência das cotas e o avanço das universidades, ainda são necessárias discussões que possam promover a inclusão racial em no meio acadêmico, principalmente em relação às mulheres negras.

Palavras-chave: ensino superior; mulheres negras; acadêmicas; abordagem qualitativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACADÊMICA A. Investigação sobre o processo educacional da mulher negra no ensino superior. [Entrevista cedida à] Edileusa Gonzaga Margarida. [Trabalho de Conclusão de Curso] O processo educacional das mulheres negras no ensino superior:uma análise no curso de Pedagogia da UNEMAT – Campus de SINOP, Sinop, UNEMAT, Curso de Pedagogia, ago/dez 2018.

ACADÊMICA B. Investigação sobre o processo educacional da mulher negra no ensino superior. [Entrevista cedida à] Edileusa Gonzaga Margarida. [Trabalho de Conclusão de Curso] O processo educacional das mulheres negras no ensino superior:uma análise no curso de Pedagogia da UNEMAT – Campus de SINOP, Sinop, UNEMAT, Curso de Pedagogia, ago/dez 2018.

ALMEIDA, José Ricardo Pires de. História da instrução pública no Brasil (1500-1889): história e legislação. Tradução de AntônioChizzotti. São Paulo: Educ.; Brasília: Inep/MEC, 1989.

ALMEIDA, Giane Elisa Sales de; ALVES, Claudia Maria Costa. Educação escolar de mulheres negras: interdições históricas... Revista Educação em Questão, v. 41, n. 27, 2011

AMARAL, Lígia Assumpção. Sobre crocodilos e avestruzes: falando de diferenças físicas,preconceitos e sua superação. In: AQUINO, JúlioGroppa (org.): Diferenças epreconceito na escola: alternativas teóricas e práticas. 4. ed. São Paulo: SummusEditorial, 1998. p. 11 a 30.

BRASIL, Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para aEducação das Relações Étnicos-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC/CNE, 2004.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Lei nº 10.639/03. Brasília. MEC/CNE. 2003. Lei 10.639/03 e o ensino da história e cultura afro-brasileira e africanahttps://educador.brasilescola.uol.com.br/estrategias-ensino/lei-10639-03-ensino-historia-cultura-afro-brasileira-africana.htm

FREITAS, Tais Pereira de Freitas, Mulheres Negras na Educação Brasileira, 1 ed. Appis editora, Curitiba, PR, 2017.

GOMES, Nelma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Universidade Federal de Minas Gerais, Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, p. 167-182, jan./jun. 2003

GOMES, Nelma Lino.Educação e identidade negra. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, v. 9, p. 38-47, 2002.

GOMES. Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. Revista Nova Escola.ed. 182. maio de 2005.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. CENSO DEMOGRÁFICO: Resultados 2010. Recenseamento Geral do Brasil, Brasília/DF, 2011.

MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura. Política de cotas raciais, os" olhos da sociedade" e os usos da antropologia:o caso do vestibular da Universidade de Brasília (UnB). Horizontes antropológicos, v. 11, n. 23, p. 181-214, 2005.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Tradução por Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Abril Cultural, 1985a. Livro 1, v.1, t.1. (Os economistas

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Crítica da educação e do ensino. Introdução e notas de Roger Dangeville. Lisboa, Portugal: Moraes, 1978

MARX. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL. LDB9.394, de 20 de dezembro de 1996.

PROJETO DE LEI DA CÂMARA N° 180, DE 2008

https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/88409/pdf.

RESOLUÇÃO Nº. 200/2004 – CONEPEESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CONEPE – CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃOResolução nº. 200/2004 - CONEPE Página 1 de 3 RESOLUÇÃO Nº. 200/2004 – CONEPE Aprova o Programa de Integração e Inclusão Étnico-Racial da Universidade do Estado de Mato Grosso. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão – CONEPE, da Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT, no uso de suas atribuições legais, e considerando o Processo s/n, a Portaria nº 328/2004 e decisão do Conselho tomada em sessão ordinária do CONEPE realizada nos dias 13 e 14 de dezembro de 2004.

SANTOS, CRISTIANE ANDRADE. Significado do trabalho e conduta ético-profissional. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2006.

SANTOS, H. et al. Políticas públicas para a população negra no Brasil. ONU, 1999. [Relatório ONU]

SANTOS, Ivone Aparecida dos. Educação para a diversidade: uma prática a ser construída na Educação Básica. Universidade Estadual do Norte do Paraná. Cornélio Procópio, p. 2346-6, 2008.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

17-06-2019

Como Citar

Margarida, E. G. (2019). O processo educacional das mulheres negras no ensino superior: uma análise no curso de Pedagogia da UNEMAT - Câmpus de Sinop. Eventos Pedagógicos, 10(1), 214–227. https://doi.org/10.30681/reps.v10i1.10195