NINGUÉM É CONTRA A EDUCAÇÃO SEXUAL? CONSIDERAÇÕES ACERCA DE UMA EDUCAÇÃO REATIVA PARA AS SEXUALIDADES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/21787476.2021.35.175193

Palavras-chave:

Educação, Sexualidades, Neofundamentalismos.

Resumo

Este manuscrito nasce de uma inquietação provocada em um curso de formação organizado pela Universidade Estadual de Maringá em 2016. Durante o curso, uma participante indaga: “Mas quem está contra a educação para as sexualidades e por quê?”. Neste tocante, este questionamento dirige-nos pela escrita deste ensaio, que tem por objetivo apresentar movimentações que nos fazem pensar que “ninguém é contra a educação para as sexualidades”, nem os movimentos neofundamentalistas, que se levantam na contemporaneidade contra uma suposta ideologia de gênero. Para isso organizamos este manuscrito, de cunho ensaístico bibliográfico, em dois eixos: a) Alguém é contra a educação para as sexualidades? b) Uma educação reativa para as sexualidades. Neste percurso, propomos que os movimentos neofundamentalistas articulam-se na produção de uma educação reativa para as sexualidades, pautados em ressentimento, má consciência e ideais ascéticos.

Biografia do Autor

Alexandre Luiz Polizel, UEL -PR

Doutorando em Ensino de Ciências e Educação Matemática. Professor na Universidade Estadual de Londrina. Londrina – Paraná – Brasil. 

Fabiana Gomes, IFG, GO

Doutora em Ensino de Ciências e Educação Matemática (UEL).Professora no Instituto Federal de Goiás, campus Uruaçu. Uruaçu – Goias – Brasil.

Moises Alves de Oliveira, UEL-PR

Doutor em Educação Básica (UNISINOS). Professor na Universidade Estadual de Londrina. Londrina – Paraná – Brasil. 

Referências

CARVALHO, Fabiana Aparecida de; POLIZEL, Alexandre Luiz; MAIO, Eliane Rose. Uma escola sem partido: discursividade, currículos e movimentos sociais. Rev. Semina: Ciências sociais e humanas, v. 37, n. 2, 2017, p. 193-210

CARVALHO, Fabiana Aparecida de; POLIZEL, Alexandre Luiz; SANTANA, Naomi Neri; SANCHES, Khawana. Políticas públicas e (in)visibilidades escolares: Entre (des)conhecer, apagar e trabalhar com o combate à violência de gênero. In: CORREA, Crishna Mirella de Andrade; MAIO, Eliane Rose. Observatório de Violência de gênero: Entre políticas públicas e práticas pedagógicas. Curitiba: CRV, 2015, p. 71-89

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a Filosofia. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 4 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 3 ed. São Paulo: Paz e terra, 2015.

FURLANI, Jimena. Educação sexual na sala de aula: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”? In: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÃES, Joanalira Corpes (Orgs). Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade. Rio Grande: Editora da FURG, 2017, p. 25-52

NIETZSCHE, Friedrich Willhelm. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

OLIVEIRA JUNIOR, Isaias Batista de. Kit de combate a homofobia do MEC: a polemização em torno dos recursos audiovisuais. Revista HISTEDBR on-line, v.16, n.70, 2016, p.319-334

PENNA, Fernando. O ódio aos professores. In: Ação Educativa (Org). A ideologia do movimento escola sem partido: 20 autores desmontam o discurso. Ação Educativa: São Paulo, 2016, p. 93-100

POLIZEL, Alexandre Luiz. Escola sem partido operante: negações, generalizações e esquecimentos? In: Anais do VI Seminário Integrado de Pesquisa em Ciências Sociais & XXVIII Semana de Ciências Sociais, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017, p. 370-382

POLIZEL, Alexandre; CARVALHO, Fabiana Aparecida de. Queimando livros e currículos: considerações sobre a histeria neofundamentalista nas discussões de sexualidade e gênero. Revista da Sociedade Brasileira do Ensino de Biologia, n. 9, 2016, p. 3593-3604

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: introdução as teorias do currículo. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

TIBURI, Marcia. Como conversar com um fascista. 5 ed. Rio de Janeiro: Record, 2016.

TOLOMEOTTI, Tamires; CARVALHO, Fabiana Aparecida de. Um currículo degenerado: os planos de educação e a questão de gênero nos documentos educacionais. Revista Artemis, v.22, n.1, 2016, p. 73-84

WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org). O corpo educado: pedagogias da Sexualidade. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, p. 35-83

Downloads

Publicado

28/08/2021

Como Citar

Polizel, A. L., Gomes, F., & de Oliveira, M. A. (2021). NINGUÉM É CONTRA A EDUCAÇÃO SEXUAL? CONSIDERAÇÕES ACERCA DE UMA EDUCAÇÃO REATIVA PARA AS SEXUALIDADES. Revista Da Faculdade De Educação, 35(1), 175–193. https://doi.org/10.30681/21787476.2021.35.175193

Edição

Seção

ARTIGO