INTERFACE ENTRE A EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E A COMUNICAÇÃO EM MUSEUS, EM REVISTAS E NA ARTE

Autores

Palavras-chave:

Alfabetização científica, Letramento científico, Divulgação científica

Resumo

Os primeiros trabalhos brasileiros a usarem a noção de alfabetização científica começam a aparecer nos anos 1990, ao mesmo tempo em que se consolida nos estudos da linguagem a noção de letramento. O termo derivado, letramento científico, só começa a ser usado nas pesquisas sobre ensino de ciências na década seguinte. O objetivo deste artigo é apresentar um panorama dos trabalhos brasileiros sobre alfabetização científica e sobre letramento científico, publicados entre 2000 e 2019, que estabelecem uma relação entre o ensino de ciências e a divulgação científica feita através da comunicação em museus, em revistas e na arte. Foi feita uma busca por alfabetização científica e letramento científico em bases de dados internacionais e, nos trabalhos encontrados, realizou-se, com o apoio da Análise de Conteúdo, a leitura dos títulos, resumos e palavras-chave, para verificar aqueles que faziam interface com a divulgação científica. Surgiram cinco categorias: divulgação científica em geral, revistas de divulgação científica, espaços não formais de ensino em geral, museus de ciência e manifestações artísticas. Entre os resultados, podemos apontar que os espaços não formais de ensino se destacam nos trabalhos sobre alfabetização científica e que as revistas de divulgação científica se destacam nos trabalhos sobre letramento científico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Bastos Cunha, Universidade Estadual de Campinas

Graduou-se em Lingüística (2001) e obteve especialização em Jornalismo Científico (2002) pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e os títulos de mestre em Comunicação Social (2005) pela Universidade Metodista de São Paulo e de doutor em Linguística Aplicada (2009) pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é pesquisador do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É professor credenciado junto aos cursos de pós-graduação Lato Sensu em jornalismo científico e junto ao programa do mestrado em divulgação científica e cultural, ambos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Tem experiência nas áreas de Comunicação, Linguística e Linguística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: comunicação, divulgação científica, educação, linguagem, análise de discurso e internet.

Referências

AUTOR. Alfabetização científica ou letramento científico? Interesses envolvidos nas interpretações da noção de scientific literacy. Revista Brasileira de Educação, v. 22, n. 68, p. 169-186, 2017.

AUTOR. O que significa alfabetização ou letramento para os pesquisadores da educação científica e qual o impacto desses conceitos no ensino de ciências. Ciência & Educação, v. 24, n. 1, p. 27-41, 2018a.

AUTOR. A importância do uso de autores dos estudos da linguagem nas referências bibliográficas dos trabalhos sobre alfabetização científica e letramento científico. Raído, v. 12, n. 30, p. 11-20, 2018b.

AUTOR. A alta relevância de temas socioambientais na percepção de licenciandos, professores e pesquisadores de ensino de ciências. Revista CTS, v. 17, n. 50, p. 11-34, 2022a.

AUTOR. O peso das questões sociais na noção de scientific literacy no Brasil. Revista RUA, v. 28, n. 1, p. 295-319, 2022b.

AYALA, Francisco José. Introductory essay: The case for scientific literacy. In: UNESCO. World Science Report 1996. Paris: Unesco Publishing, 1996.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70, 1977.

BROSSARD, Dominique; LEWENSTEIN, Bruce. A critical appraisal of models of public understanding of science: using practice to inform theory. In: KAHLOR, L. N.; STOUT, P. (Eds.). Communicating science: new agendas in communication. New York: Routledge, 2010.

BUENO, Wilson da Costa. Jornalismo científico no Brasil: os compromissos de uma prática dependente. 1984. Tese (Doutorado em Comunicação). Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

BUENO, Wilson da Costa. Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação & Informação, v. 15, n. esp., p. 1-12, 2010.

CASTELFRANCHI, Yurij et al. As opiniões dos brasileiros sobre ciência e tecnologia: o ‘paradoxo’ da relação entre informação e atitudes. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 20, supl., p. 1163-1183, 2013.

CAZELLI, Sibele. Alfabetização científica e os museus interativos de ciências. 1992. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1992.

CHASSOT, Attico. Para que(m) é útil o ensino de química? 1995. Tese (Doutorado em Ciência Humanas). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1995.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Editora Unijuí, 2000.

FOUREZ, Gérard. Alphabétisacion scientifique et technique et îlots de rationalité. In: GIORDAN, A.; MARTINAND, J. L.; RAICHVAG, D. (Eds.). Actes des XIV Journées Internationales sur la Communication, l’Éducacion et la Culture Scientifique et Industrielles. Cachan, École Normale Superiére, 1992.

IBGE. Tendências demográficas: Uma análise dos resultados da amostra do Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

KLEIMAN, Angela. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995.

LAUGKSCH, Rudiger Christian. Scientific literacy: a conceptual overview. Science education, v. 84, n. 1, p. 71-94, 2000.

LEWENSTEIN, Bruce. The meaning of ‘Public Understand of Science’ in the United States after World War II. Public Understanding of Science, v. 1, n. 1, p. 45-68, 1992.

MASSARANI, Luisa; MOREIRA, Ildeu de Castro. A divulgação científica no Rio de Janeiro: um passeio histórico e o contexto atual. Revista Rio de Janeiro, n. 11, p. 38-69, 2003.

MIRANDA, Lucas. A promoção do letramento científico através de matérias jornalísticas de ciência e tecnologia da emissora Al Jazeera. Revista do EDICC (Encontro de Divulgação de Ciência e Cultura), v. 4, p. 1-10, 2018.

NORRIS, Stephen; PHILLIPS, Linda. How literacy in its fundamental sense is central to scientific literacy. Science Education, v. 87, p. 224-240, 2003.

ROBERTS, Douglas. Scientific literacy: Towards a balance for setting goals for school science programs. Ottawa: Minister of Supply and Services, 1983.

ROBERTS, Douglas. Scientific literacy/Science literacy. In: ABELL, S.K.; LEDERMAN, N.G. (Eds.). Handbook of research on science education. New York: Lawrence Erlbaum Associates, 2007.

RODRIGUES, Clarissa. Abordagem CTS e possibilidades de letramento científico no projeto Água em Foco: tipos textuais e linguagem científica. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

SANTOS, Wildson Luiz Pereira. Educação científica na perspectiva do letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 36, p. 474-495, 2007.

SANTOS, Wildson Luiz Pereira; MORTIMER, Eduardo Fleury. Tomada de decisão para ação social responsável no ensino de ciências. Ciência & Educação, v. 7, n. 1, p. 95-111, 2001.

SHEN, Benjamin. Science literacy. American Scientist, v. 63, n. 3, p. 265-268, 1975.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

TFOUNI, Leda Verdiani. Letramento e analfabetismo. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, 1992.

VOGT, Carlos. Ciência, comunicação e cultura científica. In: VOGT, C. (Org.). Cultura científica: desafios. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/Fapesp, 2006.

Downloads

Publicado

21/12/2022

Como Citar

Bastos Cunha, R. (2022). INTERFACE ENTRE A EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E A COMUNICAÇÃO EM MUSEUS, EM REVISTAS E NA ARTE. Revista Educação, Cultura E Sociedade, 12(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/recs/article/view/10490