SABERES E PRÁTICAS DOCENTES: IMPLICAÇÕES E ESPECIFICIDADES PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/recs.v13i2.10659

Palavras-chave:

Formação de professores, Papel da escola, Práticas e saberes docentes

Resumo

A discussão ora apresentada remete às inquietações decorrentes dos estudos e das experiências profissionais das autoras em diferentes contextos educativos – seja na qualidade de estudantes de pós graduação, seja na qualidade de docentes da educação básica e educação superior. Trata-se de um texto que objetiva levantar aspectos importantes para a formação de professores acerca da compreensão das práticas e saberes necessários à docência a partir dos estudos de Tardif (2014); Shulman (1986) e Mizukami (2004); do papel do professor e da função da escola enquanto instituição privilegiada para a socialização dos conhecimentos produzidos historicamente pela sociedade. Assim, nos limites desse artigo, são trazidas as reflexões desencadeadas pelas discussões e leituras realizadas ao longo de nossas jornadas acadêmicas e profissionais, bem como por outras leituras e autores da área da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Leite Andrade, FATEC / UNIFAI – Adamantina – SP

Mestre em Matemática pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), onde foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e licenciada em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Atualmente é professora de Ensino Superior na Faculdade de Tecnologia (FATEC) e também no Centro Universitário de Adamantina (UNIFAI), em Adamantina (SP), onde também exerce a função de Coordenadora Pedagógica. Membro titular da Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) do Centro Universitário de Adamantina (UNIFAI). Atuou como Docente Orientadora e Coordenadora de Gestão de Processos Educacionais do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID/CAPES. Atua também como Docente Orientadora no Programa Residência Pedagógica - CAPES. Tem experiência na área de Matemática atuando principalmente nas áreas de Álgebra Linear e Ensino de Matemática.

Andreia Guilhen Pinto, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Mestra em Educação e graduada em Pedagogia pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, onde foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC (graduação), bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e Professora-Bolsista da disciplina Psicologia da Educação no curso de licenciatura em Física (Mestrado). Atualmente, é professora de Educação Infantil na Prefeitura Municipal de Presidente Prudente e professora do ensino Fundamental I no Centro Educacional Delta em Presidente Bernardes. Tem experiência na área da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, representações sociais, identidade profissional, educação infantil e ensino fundamental com ênfase no ensino de Matemática. É membro do Grupo de trabalho: Escuta, fala, pensamento e imaginação, responsável pela elaboração da Matriz Curricular pela Secretaria de Educação Municipal de Presidente Prudente e membro do Grupo de Pesquisa “Profissão docente: Formação, Identidade e Representações Sociais” (GPDFIRS).

Referências

BEISIEGEL, C. R. A qualidade do ensino na escola pública. Brasília: Líber Livro, 2006.

BORN, B. B.; PRADO, A. P. do; FELIPPE, J. M. F. G. Profissionalismo docente e estratégias para o seu fortalecimento: entrevista com Lee Shulman. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, e201945002003, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1678-4634201945002003. Acesso em 05 set. 2021.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 01, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2020.

______. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 20 nov. 2020.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Cadernos UDEMO: Legislação Básica Atualizada, São Paulo, n. 9, p. 119-151, fev. 2007.

CUNHA, M. I. da. O bom professor e sua prática pedagógica. Campinas: Papirus, 1989. (Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico).

ESTEVES, J. M. O mal estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. Tradução Durley de Carvalho Cavicchia. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

FRANCO, M. A. S. Práticas Pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 601-614, jul./set. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-9702201507140384. Acesso em 06 set. 2021.

FREIRE, P. Conscientização. São Paulo: Cortez, 1983.

GIORGI, C. A. G. DI; LEITE, Y. U. F. A qualidade da escola pública, na perspectiva democrática e popular. Série-Estudos - Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, n. 30, 5 jun. 2013.

LEITE, Y. U. F. O lugar das práticas pedagógicas na formação inicial de professores. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011. (Coleção PROPG Digital - UNESP). ISBN 9788579832178. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/109193>. Acesso em: 4 set. 2021.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012. Disponível em https://doi.org/10.1590/S1517-97022011005000001. Acesso em 05 set. 2021.

LIBÂNEO, J. C. Políticas educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa, V. 46, n. 159, p. 38-62, jan./mar. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/198053143572. Acesso em 07 set. 2021.

MIZUKAMI, M. G. N. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman . Educação (UFSM), Santa Maria, v. 29, n. 2, p. 33-50, jul./dez. 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/3838. Acesso em 05 set. 2021.

NOGUEIRA, C. M. M; NOGUEIRA, M. A. A Sociologia Da Educação De Pierre Bourdieu: Limites E Contribuições. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 78, p. 15-36, Campinas, Abr. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/wVTm9chcTXY5y7mFRqRJX7m/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 05 set. 2021.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009. Disponível em: https://rosaurasoligo.files.wordpress.com/2017/04/antc3b3nio-nc3b3voa-professores-imagens-do-futuro-presente.pdf. Acesso em 07 set. 2021.

PIMENTA, S. G. Formação De Professores - Saberes da docência e identidade do professor. Nuances - Vol. III- setembro de 1997.

SHULMAN, L. S.; SHULMAN, J. H. Como e o que os professores aprendem: uma perspectiva em transformação. Cadernos Cenpec, v.6, n.1, p.120-142. São Paulo, jan./jun. 2016. Disponível em: http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/353/349. Acesso em: 12 set. 2021.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TEODORO, A. Globalização e educação. Políticas educacionais e novos modos de governação. São Paulo, Cortez, 2003.

Downloads

Publicado

20/12/2023

Como Citar

Andrade, S. L., & Guilhen Pinto, A. (2023). SABERES E PRÁTICAS DOCENTES: IMPLICAÇÕES E ESPECIFICIDADES PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL. Revista Educação, Cultura E Sociedade, 13(2), 70–79. https://doi.org/10.30681/recs.v13i2.10659